A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

14/05/2015 10:02

Greve deixa crianças sem aulas e funcionários protestam na praça

Aline dos Santos e Flávia Lima
Aluno de Ceinf volta para a casa com a avó no Jardim Noroeste. (Foto: Marcelo Calazans)Aluno de Ceinf volta para a casa com a avó no Jardim Noroeste. (Foto: Marcelo Calazans)
Funcionários protestam por reajuste na Praça do Rádio. (Foto: Marcos Ermínio)Funcionários protestam por reajuste na Praça do Rádio. (Foto: Marcos Ermínio)

Greve dos funcionários dos Ceinfs (Centros de Educação Infantil) e Cras (Centros de Referências de Assistência Social) deixa milhares de crianças sem atividades a partir desta quinta-feira. Enquanto os profissionais fazem protesto na Praça do Rádio, os alunos voltaram para casa. A rede conta com 100 Ceinfs e 19 Cras.

O número de crianças nas creches é contraditório. A Prefeitura de Campo Grande informou que 13,8 mil estudantes são atendidos nos Ceinfs. O sindicato da categoria estima que são 15 mil.

O menino Vitor Hugo de Souza, 2 anos, ficou sob os cuidados da avó Conceição de Alves de Souza Almeida. Ela conta que a filha levou o garoto ao Ceinf Maria Dulce Prata Cançado, no Jardim Noroeste, às 6h30, quando soube da paralisação. Horas depois, a avó e o garoto retornaram ao local, que permanece sem alunos. “Vou ficar cuidando dele, auxiliar nesse momento”, diz a avó, pois a mãe de Vitor Hugo precisa trabalha.

Segundo a direção, a creche também teve que dispensar 60 crianças de idade pré-escolar. Elas são atendidas por professores, que foram ao trabalho, mas não há condições de manter as aulas sem os serviços de cozinha e limpeza.

No bairro Panorama, 220 alunos do Ceinf Sônia Helena Baldo ficaram sem aulas. A direção informou que cinco crianças foram hoje à creche. A maioria dos pais foi avisada ou ficou sabendo da paralisação pela imprensa. Os 50 alunos do pré-escolar também tiveram que ser dispensados por falta de estrutura para atendê-los.

No Centro de Educação Juraci Galvão Oliveira, residencial Oiti, região do bairro Maria Aparecida Pedrossian, um cartaz avisa sobre a greve. Não havia funcionário no local.

A greve é motivada por impasse salarial entre o poder público e administração da Omep (Organização Mundial para Educação Pré-Escolar) e da Seleta (Sociedade Caritativa e Humanitária), responsáveis pela contratação de 1,1 mil profissionais. São recreadores, atendentes, cozinheiras e pessoal da limpeza.

Os trabalhadores se concentraram na Praça do Rádio. Segundo o Senalba (Sindicato dos Empregados em Entidades Culturais, Recreativas, de Assistência Social, de Orientação e Formação Profissional ), na primeira semana de maio a categoria se reuniu com a direção das duas entidades e ficou acordado um reajuste de 9%, referente a inflação do período, além da redução da jornada de trabalho de 7 horas para 6 horas, caso a prefeitura liberasse. Contudo, devido à falta de verba, apenas a redução da jornada seria autorizada.

A reportagem aguarda resposta da assessoria de imprensa da prefeitura sobre a adesão à greve.

Apae recebe doação de brinquedos da campanha Compartilhe o Natal
Foi iniciado nesta segunda-feira (11) a entrega de brinquedos arrecadados na campanha "Compartilhe o Natal", realizado pelo Ministério Público Estadu...
Ação oferece serviço especial na UBSF do Tarumã nesta terça-feira
A UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) do Tarumã promove nesta terça-feira (12) diversas atividades voltadas para a promoção de saúde da populaç...
Prefeitura e Sebrae fazem estudo em lojas para revitalizar rua 14 de Julho
A prefeitura de Campo Grande a o Sebrae de Mato Grosso do Sul estão realizando na rua 14 de Julho, Centro da cidade, um estudo técnico em 230 lojas, ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions