A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

18/09/2014 13:19

Homem que matou outro por causa de um porco vai ficar em liberdade

Filipe Prado
Atílio foi condenado há quatro anos em regime aberto (Foto: Marcos Ermínio)Atílio foi condenado há quatro anos em regime aberto (Foto: Marcos Ermínio)

O acusado de matar Gomercindo Marcelino da Cruz em 18 de abil de 2009 na fazenda Santa Helena, próximo ao autódromo de Campo Grande, por causa de um porco, foi condenado a quatro anos de prisão em regime aberto. O trabalhador rural Atílio Rodrigues, 66 anos, confessou ter matado a vítima, mas alegou legítima defesa.

Conforme a sentença, assinada pelo juiz Carlos Alberto Garcete, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Atílio foi condenado por homicídio doloso privilegiado há seis anos, mas teve a pena diminuída em dois anos, fixando-a em quatro.

Durante o julgamento, na manhã de hoje (18), o acusado negou que tenha matado Gomercindo por conta de uma dívida de R$ 300 na venda de metade de um porco. Ele contou que descobriu que a vítima iria se mudar da fazenda no dia, então foi até lá ajudar na mudança.

Conforme Atílio, ao chegar até o local, a vítima achou que ele havia ido cobrar a dívida, com isso Gomercindo o ameaçou de morte e jogou uma foice aos seus pés. “Ele me disse que seu tivesse cercado ele me daria um tiro na cara”.

O acusado disse que os dois discutiram e que em dado momento a vítima veio correndo em sua direção e colocou a mão na cintura. “Ele veio correndo parecendo que estava armado. Eu, com medo dele me matar, atirei”, justificou. A vítima foi atingida com cinco tiros.

A promotora leu os depoimentos prestados pela mulher da vítima e também do motorista do caminhão, que iria transportar a mudança. Todos negaram que Gomercindo estivesse armado naquele dia. “ Porque cargas d'água Gomercindo estaria armado? O que chama a atenção é que como uma pessoa que estivesse com uma arma na cintura, pudesse se abaixar e levantar para carregar os móveis”, contestou a promotora.

Para ela, o acusado foi até o local com a intenção de matar. “Não foi encontrada a foice e não foi encontrada a arma. Ele já foi propenso a fazer o que ele fez”.

Ação oferece serviço especial na UBSF do Tarumã nesta terça-feira
A UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) do Tarumã promove nesta terça-feira (12) diversas atividades voltadas para a promoção de saúde da populaç...
Prefeitura e Sebrae fazem estudo em lojas para revitalizar rua 14 de Julho
A prefeitura de Campo Grande a o Sebrae de Mato Grosso do Sul estão realizando na rua 14 de Julho, Centro da cidade, um estudo técnico em 230 lojas, ...
Mau atendimento e buracos em pista atrapalham alunos em prova do Detran
O mau atendimento prestado por alguns dos examinadores e buracos presentes na pista de provas do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato...


Pra você ver... Se ele tivesse matado um beija-flor ou talvez o próprio porco, a pena com certeza teria sido maior. Vai entender essa "justiça" , injusta, do Brasil !!!
 
Marcos Figueiredo em 18/09/2014 19:52:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions