ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, QUARTA  25    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Justiça mantém preso advogado que matou PM

A defesa havia entrado com pedido de liberdade provisória sem fiança para Helder da Cunha Rodrigues

Por Viviane Oliveira | 20/10/2020 11:05
Movimentação de policiais e peritos no local onde aconteceu o acidente com morte na madrugada desta segunda-feira (19) (Foto: Henrique Kawaminami)
Movimentação de policiais e peritos no local onde aconteceu o acidente com morte na madrugada desta segunda-feira (19) (Foto: Henrique Kawaminami)

O juiz plantonista Thiago Nagasawa Tanaka converteu em preventiva a prisão em flagrante do advogado Helder da Cunha Rodrigues, 38 anos, que matou o soldado da Polícia Militar Luciano Abel de Carvalho Nunes, 29 anos, em acidente de trânsito. O caso foi registrado por volta das 4h de ontem (19), no cruzamento sinalizado da Avenida Ministro João Arinos com a Centaurea, no Bairro Cidade Jardim, em Campo Grande.

A defesa havia entrado com pedido de liberdade provisória sem fiança para o advogado, solicitando a aplicação de medidas cautelares para impedir a disseminação da covid-19.

Segundo o juiz, pelas condições do delito, praticado sob o estado de embriaguez, sem a habilitação para a categoria específica, aliado a tentativa de fuga, não é recomendável, no momento, a concessão de liberdade provisória.

“O fato do autuado haver cometido o homicídio em total estado de embriaguez, sem habilitação  para a categoria do veículo que conduzia, aliado ao fato de ser pessoa operadora do direito, conhecer das leis, tal fato, causou comoção social, de modo  que infiro não ser recomendável a concessão de medidas cautelares mais brandas”, decidiu o juiz.

Caso - Luciano seguia numa motocicleta Yamaha XJ6, quando foi atingido pelo Chevrolet Cobalt dirigido pelo advogado. Depois da pancada, tanto o corpo da vítima quanto o carro foram parar no canteiro central da Avenida Ministro João Arinos, na saída para Três Lagoas. O Corpo de Bombeiros foi acionado, tentou reanimar a vítima, mas sem sucesso.

Após o acidente, Helder se apresentou como advogado para uma testemunha e, na sequência fugiu a pé. Ele foi preso momentos depois em abordagem da polícia. O advogado foi submetido ao teste do bafômetro e o resultado foi de 0,76 miligramas de álcool por litro de ar expelido dos pulmões. Ele está numa sala especial para advogados do Presídio Militar.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário