A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

21/08/2017 12:18

Lei do silêncio impera entre vizinhos de casa onde vítima foi esquartejada

"Aqui ninguém sabe e ninguém viu", diz morador do bairro Morada do Sol

Guilherme Henri
Casa onde esquartejamento foi filmado por membros de facção criminosa (Foto: Marcos Ermínio)Casa onde esquartejamento foi filmado por membros de facção criminosa (Foto: Marcos Ermínio)

“Aqui ninguém sabe e ninguém viu”! Essa é a frase usada por vizinhos da casa onde membros da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) teriam filmado o esquartejamento de Fernando Nascimento dos Santos, de 22 anos, no bairro Morada do Sol, em Campo Grande.  O local foi incendiado na tarde deste domingo, ampliando o clima de medo e o silêncido de quem via a movimentação, mas tem medo de dizer qualquer coisa para não se tornar vítima.

Uesley de Oliveira Rodrigues, o “Mascote”, de 23 anos, Wellington Ferreira de Souza, o “Dedinho”, 24, e Danilo Richeli da Silva Fernandes, conhecido como “Mil Grau”, 18, foram presos no fim de semana e confessaram o crime, que, segundo a vizinhança, foi cometido na rua Augusta Rossini Guidi. O episódio, uma semana depois, ainda causa “alvoroço” entre vizinhos, que nesta manhã estavam em frente de casas aparentemente conversando. Porém, todo o movimento foi dispersado com a chegada da equipe de reportagem. Os que permaneceram garantiram que existia movimentações na rua e casa onde o crime aconteceu, porém o medo impediu que qualquer um denunciasse.

“Moro aqui há 22 anos. Via sempre rapazes circulando pela rua e entrando naquela casa, mas aqui o que manda é a 'lei do silêncio'. Nós não nos metemos nos assuntos deles para que ninguém mexa com a gente”, diz o homem, que por segurança terá sua identidade preservada.

Casa que seria do PCC está localizada na rua Augusta Rossini Guidi, no bairro Morada do Sol (Foto: Marcos Ermínio)Casa que seria do PCC está localizada na rua Augusta Rossini Guidi, no bairro Morada do Sol (Foto: Marcos Ermínio)
Cadeira onde Fernando foi executado permanece no local (Foto: Marcos Ermínio)Cadeira onde Fernando foi executado permanece no local (Foto: Marcos Ermínio)

Ainda segundo ele, a casa de pintura branca com marrom sempre pertenceu ao “comando”, em alusão ao PCC (Primeiro Comando da Capital). “Aqui ninguém tem coragem de mexer naquela casa, mas a vontade era de 'meter' a marreta naquilo tudo”, diz.

A opinião é compartilhada por outra moradora, que pediu para não ser identificada. Segundo ela, a casa mais parece um 'abatedouro', pois além de Fernando pelo menos mais duas pessoas também já foram mortas ao longo dos anos. “Não há o que se fazer. No dia que descobriram o esquartejamento, a polícia veio e fez tudo o que precisava. De noite, quando não havia mais movimentações usuários já rondavam o local para vender drogas”, denuncia.

Acostumados a viver com medo, conforme ela, a saída foi se “fingir de cega”. “Meu filho já foi assaltado voltando da escola. Existe um posto da Polícia Militar no Los Angeles – bairro próximo – mas, parece que não é o suficiente”, desabafa.

Fogo – Um quarto do local, foi incendiado na noite de ontem (20), porém os vizinhos garantiram, que “ninguém ali teria coragem de fazer isso”.

O Campo Grande News entrou no local. A cadeira onde Fernando estava sentado durante a execução ainda está no local, além de roupas sujas. Há somente uma cama na residência de poucos cômodos e o incêndio danificou apenas um quarto.

Incêndio danificou apenas um comodo da residência (Foto: Marcos Ermínio)Incêndio danificou apenas um comodo da residência (Foto: Marcos Ermínio)

Esquartejamento - A execução de Fernando foi grava pelos suspeitos, que afirmam pertencer ao PCC. O vídeo tem um minuto e 43 segundos.

No início da filmagem, o jovem aparece sentado em uma cadeira. Aparentemente dopado, ele não esboça reação, enquanto um homem, com o rosto coberto por um capuz, se aproxima com uma faca nas mãos.

Ao fundo da gravação alguém diz: “ao Primeiro Comando da Capital, esse recado aqui vai pra todos os lixo que se encontra aí no nosso Estado, aí aonde for aí, nóis vai mata tudo, entendeu? esse daqui vai um recado, entendeu? Nosso, o Primeiro Comando da Capital, família 1533, entendeu? P*** [sic]”. A sequência da filmagem traz a execução.

Da esquerda para a direita Mascote, “Mil Grau” e Dedinho (Foto: Marcos Ermínio)Da esquerda para a direita "Mascote", “Mil Grau” e "Dedinho" (Foto: Marcos Ermínio)

Em outro vídeo com pouco mais de 15 segundos, o mesmo jovem aparece sentado em uma cadeira, aparentemente dopado, e diz: “peço desculpa a todo o PCC, que eu conheci o verdadeiro crime agora, não igual aqueles lixo lá. Tamo junto, agora com o 1533 (sic)”.

A cabeça de Fernando foi cortada com ele ainda vivo e o corpo esquartejado foi encontrado na rua Engenheiro Paulo Frontim, 150 metros do anel viário, no Jardim Los Angeles - bairro do sul de Campo Grande - no fim da manhã de quarta-feira passada, 16 de agosto.

Prisão – Além dos três que assumiram a autoria do crime, Paulo Danilo Correa da Silva também foi apontado pela Justiça como envolvido no caso. Os quatro tiveram a prisão preventiva decretada, na manhã desta segunda-feira (21), em audiência de custódia e permanecem presos no Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros).




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions