A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 18 de Abril de 2019

15/11/2018 15:52

Médico que deu voz de prisão diz que tomará medida sempre que for ofendido

Servidor integra equipe móvel e estava no CRS Aero Rancho; segundo ele, mulher se revoltou após receber explicação sobre classificação de risco

Humberto Marques e Danielle Valentim
Mulher e médico foram à Depac Piratininga, onde ocorrência de desacato foi registrada. (Foto: Paulo Francis)Mulher e médico foram à Depac Piratininga, onde ocorrência de desacato foi registrada. (Foto: Paulo Francis)

A mulher presa por desacato contra um médico no CRS (Centro Regional de Saúde) do Aero Rancho, no sul de Campo Grande, na tarde desta quinta-feira (15), revoltou-se após pacientes receberem classificação de risco mais grave na unidade e, por isso, terem atendimento prioritário. A informação partiu do profissional de saúde que prestava serviço no local e, após o ocorrido, seguiu para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga para registrar a ocorrência policial. Ele confirmou não ser a primeira vez que dá voz de prisão a pacientes e que, caso tais situações voltem a ocorrer, tomará novamente a atitude.

O médico –que preferiu não se identificar– disse que integra a equipe móvel da Prefeitura de Campo Grande e havia sido deslocado para o CRS a fim de reforçar o atendimento à população. No momento, disse à reportagem, apenas ele e outro profissional prestavam serviço no centro de saúde.

“Ela chegou e passou com pela triagem com o filho, que recebeu classificação verde (considerada pouco urgente) mas outras pessoas passaram a frente por conta da classificação de risco mais grave. Ela questionou o porquê de outras pessoas passarem na frente, expliquei que não era isso”, disse o médico que, na sequência, afirmou ter sido ofendido.

“Ela diz que eu a humilhei, mas não foi isso. Expliquei como funciona o atendimento”. Militar, o médico deu a voz de prisão, confirmando ser a segunda vez que toma esse tipo de atitude em unidades de saúde da Capital. Ele destacou, ainda, que continuará a tomar tais atitudes caso seja desacatado durante a prestação de serviço. “Toda vez que for xingado vou dar voz de prisão”.

Delegado Rafael Kenji afirma que casos de desacato são mais comuns contra policiais. (Foto: Paulo Francis)Delegado Rafael Kenji afirma que casos de desacato são mais comuns contra policiais. (Foto: Paulo Francis)

TCO – Jeniffer Rodrigues contatou o Campo Grande News pelo canal Direto das Ruas para relatar demora no atendimento no CRS Aero Rancho. Ela afirmou que saiu pela manhã de sua casa, no Dom Antônio Barbosa, com três filhos e o marido, em busca de atendimento no centro de saúde. Desde então, aguardara por serviços e denunciou que faltavam médicos –indignada, ela admitiu ter discutido com o médico e recebido a voz de prisão.

O delegado Rafael Kenji, da Depac Piratininga, explicou que o boletim de ocorrência seria registrado como desacato. A autora será convidada a assinar um TCO (termo circunstanciado de ocorrência) para ser liberada. “Se ela se negar, como foi flagrante, vai continuar presa até segunda-feira esperando pela audiência de custódia”, explicou.

Ele disse que casos como o registrado nesta tarde são mais comuns contra policiais. “Costumamos atender ocorrências de pessoas embriagadas que ofendem policiais. Contra médicos é raro acontecer”, destacou o delegado.

Sesau – Em nota, a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) confirmou que dois médicos faziam o atendimento no CRS no momento dos fatos –a escala previa três profissionais, sendo que um deles apresentou atestado e não compareceu. Contudo, o “número alto de intercorrências de maior gravidade” exigiu prioridade. A pasta reforçou que os CRSs e UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) atendem pacientes conforme a classificação e não por ordem de chegada.

Duas equipes de apoio da Sesau, com três médicos cada, devem ser enviadas a partir das 17h para as unidades de com maior número de pacientes à espera de atendimento.

Ainda segundo a pasta, o marido e filhos de Jeniffer receberam atendimento em cerca de três horas. após entrada na unidade. Todos apresentavam sintomas de gripe. No mesmo período, a Sesau registrou a chegada de dois pacientes vítimas de infarto e um de AVC (acidente vascular cerebral) ao local.



Concordamos com a atitude do médico. A população deve entender que o profissional não tem culpa do que acontece com o caos da saúde. Ele está fazendo todo o possível para melhor realizar suas funções. Se a dita senhora não está satisfeita que vá fazer "barraco" na frente da casa do Governador, do Prefeito, do Secretário de Saúde e dos Políticos sul-mato-grossenses e não ficar atrapalhando o bom andamento dos serviços e agredindo verbalmente um profissional que está ali para atender as pessoas que chegam com problemas.
 
wilson de jesus machado miranda em 15/11/2018 16:12:47
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions