ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 22º

Capital

"Mestre" do PCC, defensor público tem sigilo de dados quebrado pela Justiça

Defensor ocupa uma das celas do Presídio Militar, em Campo Grande

Dayene Paz | 15/03/2023 16:00
Gaeco durante cumprimento de mandados em Campo Grande. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)
Gaeco durante cumprimento de mandados em Campo Grande. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

A Justiça deferiu quebra de sigilo de dados de celulares e computadores pertencentes ao defensor público Helkis Clark Ghizzi, preso preventivamente nesta terça-feira (14), durante a segunda fase da Operação Courrier, chamada de "Maître", deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado). A investigação aponta que Ghizzi integra o PCC (Primeiro Comando da Capital) e era chamado de "Mestre".

Segundo o juiz Eduardo Eugênio Siravegna Júnior, da 2ª Vara Criminal, fica permitido o acesso de conversas em aplicativos de mensagens, inclusive armazenadas em nuvem. No Diário da Justiça, publicação desta quarta-feira (15), o juiz também autoriza que provas obtidas sejam utilizadas em outros procedimentos investigatórios do Gaeco e "dos demais órgãos do Ministério Público (GACEP, Promotorias de Justiça, entre outros), da Polícia Civil e Polícia Federal, da Defensoria Pública, OAB, a depender da matéria e dos envolvidos".

O defensor público já havia sido afastado durante a deflagração da operação, no dia 1º de março deste ano, na Capital. Na data, foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão, sendo apreendido diversos documentos e computadores. Na ocasião, o defensor não quis entregar o aparelho de telefone, assim como aconteceu nesta terça-feira (14), quando afirmou não ter celular.

O Gaeco apura crimes de associação criminosa, corrupção ativa, corrupção passiva e violação de sigilo funcional qualificada, atribuídos a um advogado apontado como “gravata” do PCC (Primeiro Comando da Capital) - que já se encontra custodiado preventivamente -, o defensor público e seu ex-assessor, também advogado.

O nome da operação "Maître", inclusive, faz alusão à forma que os demais integrantes da associação se referiam ao defensor público, denominado como “Mestre”, tratamento conferido aos operadores do Direito.

Conforme o Gaeco, as investigações, que começaram no início do ano passado, apontaram a formação do núcleo “Sintonia dos Gravatas”, célula do PCC, na qual advogados valiam-se, criminosamente, de suas prerrogativas constitucionais para transmitirem recados de faccionados presos a outros membros da organização criminosa, inclusive sobre planejamento de atentados contra a vida de agentes públicos: um juiz e um promotor.

Nos siga no Google Notícias