A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

26/04/2013 13:21

Ministério Público abre inquérito para investigar empresa de valores

Viviane Oliveira e Nadyenka Castro
Funcionários da empresa Cifra reclamam de atraso no pagamento e benefícios. (Foto: Marcos Ermínio)Funcionários da empresa Cifra reclamam de atraso no pagamento e benefícios. (Foto: Marcos Ermínio)

O MPT (Ministério Público do Trabalho) investiga a empresa de segurança e transporte de valores Cifra pela falta de depósito do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e por pagamento de férias aos funcionários. De acordo com o órgão, em março deste ano teve uma audiência e a empresa pediu um prazo de 90 dias para regularizar a situação.

Reclamação - Funcionários da empresa de segurança e transporte de valores Cifra reclamam de atrasos de salários e benefícios. Os trabalhadores, que pedem para não serem identificados temendo represálias, afirmou ontem em entrevista ao Campo Grande News, que os pagamentos atrasam até 25 dias, além de R$ 320 de ticket alimentação e depósitos do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço).

Em fevereiro, os vigilantes entraram em greve exigindo o pagamento de 30% para o adicional de periculosidade, contra os 9% pagos anteriormente. Segundo os funcionários ouvidos pela reportagem, nem o valor anterior tem sido respeitado.

“Só não estamos passado dificuldade porque eu trabalho, mas tem colegas que estão sem luz, estão sem água por falta de pagamento”, afirma a esposa de um vigilante patrimonial. Ela conta que somente o adicional recebido pelo marido é de R$ 270, o que pesa muito no orçamento.

Este trabalhador tem uma jornada de 8 horas sem intervalo de almoço e deveria receber um abono chamado interjornada, que alega não ter sido depositado corretamente. Outro trabalhador diz que o FGTS é depositado em atraso e diz que já procurou os proprietários da empresa. “Estamos cansados de reclamar”, afirma o homem.

Ele diz que a empresa presta serviço para o banco Bradesco e que há comentários de que o contrato entre as empresas será reincidido. O vigilante conta que colegas saíram da empresa há 90 dias e até agora não receberam direitos trabalhistas.

“A gente trabalha o mês todo e não pode contar com o dinheiro no começo do mês, enquanto todo mundo tem dinheiro certo para receber, a gente não tem”, desabafa uma funcionária que diz ser divorciada e criar os filhos sem ajuda.

Eventos de Natal, inauguração de igreja e obras interditam 9 ruas na Capital
A Agetran (Agência Municial de Transporte e Trânsito) informa que pelo menos 9 ruas terão o tráfego impedido neste domingo (17) em Campo Grande. O fe...
Bandidos armados com faca usam carro prata para assaltar vítimas
Dois homens armados com faca em um carro prata - com placas HTI-8594 - assaltaram ao menos duas vítimas, na madrugada deste domingo (17), no Bairro C...
Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...


Ae MPT que tal extender essa "boa ação" as empresas de terceirização em geral?
Se isso acontecer o que vai ter de patrão perdendo o sono hahaha
 
Marcio Brunholi em 26/04/2013 19:09:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions