A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

21/01/2013 12:11

Moradores e comerciantes reclamam de andarilhos na Praça do Índio

Paula Vitorino e Mariana Lopes
De manhã, homens bebem cachaça na praça. (FotoS: Rodrigo Pazinato)De manhã, homens bebem cachaça na praça. (FotoS: Rodrigo Pazinato)

Ponto turístico de Campo Grande e de encontro para os moradores que procuram alimentos típicos, a Praça dos Índios, como é mais conhecida a Praça Oshiro Takimori, em frente ao Mercadão, está abandonada e virou abrigo para usuários de droga e álcool, de acordo com denúncia de comerciantes e moradores da região.

“Que vergonha para Campo Grande. Está completamente abandonada e virou local de moradia permanente de zuqueiros, traficantes, cachaceiros, trombadinhas e moradores de rua de diversas outras ocupações que tornam a vida dos comerciantes, taxistas e turistas um verdadeiro inferno diário”, reclama o taxista José Avelar.

As indígenas que comercializam os produtos típicos do Estado, produzidos nas aldeias, reclamam que não tem “sossego” com os andarilhos. Vanda Albuquerque, de 45 anos, diz que as índias dormem nos quiosques, mas não conseguem ter tranqüilidade porque ficam com medo.

“O maior problema é que ficam gritando e chegam a furtar coisas nossas”, diz.

Outra índia, Feliciana Lemos, de 57 anos, diz que “é só apagar a luz e eles já começam”. Ela reclama dos furtos e da bagunça. “Ficam fazendo muito barulho, gritando, brigando entre eles mesmos. É isso a madrugada inteira”, diz.

Ela diz que as comerciantes têm medo e por isso não fazem nada contra a bagunça diária.

O vizinho da praça, Jhoannys Felix, de 22 anos, afirma que a situação de insegurança é constante. “A gente vive com medo de ser assaltado e furtado”, diz. Ele também reclama das pessoas que ficam pedindo dinheiro.

 

Policiais fazem patrulhamento na praça habitada por andarilhos. Policiais fazem patrulhamento na praça habitada por andarilhos.

Passando o tempo Do outro lado, os indesejados frequentadores da praça dizem que ficam ali para “passar o tempo”. Na manhã de hoje, segunda-feira, a reportagem encontrou alguns homens bebendo cachaça no local.

“A gente está se divertindo. Pra mim o Ano Novo ainda não acabou, só vai acabar quando eu arrumar um trabalho”, diz Wilson Amaro, de 42 anos.

Ele diz que “todos aqui nos conhecemos” e conta que vão para o local passar o tempo e beber enquanto não arrumam um emprego.

O homem ainda diz que existe diferença entre os frequentadores. "Quem faz bagunça, arruma briga e furta coisa é o pessoal que usa droga, a gente só bebe", referindo-se ao fato de só usar droga lícita.

Responsabilidade – A praça fica em frente a um posto da Polícia Militar, que já funcionou dentro do espaço. O tenente Andrew Nascimento explica que a questão no local é “mais social do que criminal”.

Isso por que a maioria dos andarilhos da praça não comete nenhum ato que pode ser considerado crime. Desempregados, viciados e sem moradia, eles ficam na rua usando drogas.

“A maioria da reclamação é por perturbação. Eles brigam entre eles mesmos, bebem e causam tumulto”, diz.

O tenente frisa que policiamento existe constantemente no local. Segundo ele, equipe de dois a três policiais fazem o patrulhamento na praça, no Mercadão e no Camelódomo.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura para saber sobre a conversação do espaço, mas ainda não obteve retorno.



Patrulhamento realmente existe. Como percebemos pela foto: um militar ao celular, uma sargento e mais dois "trocando fichas" com os andarilhos. Tal situação deve ser atribuída pela falta de políticas sociais nessa cidade ou ainda neste estado onde os profissionais do Serviço Social são tolidos pela falta de incentivo, digo dinheiro, para aplicação de idéias que objetivas a melhoria da condição de vida dessas pessoas e consequentemente daqueles que trabalham ou apenas passam pela imediações do centro da cidade morena.
Certamente aquele militar ao celular deve ter ligado pro seu superior e ter perguntado: "E AGORA FAÇO O QUE? LEVO PRA ONDE?" e deve ter ouvido como resposta: "MANDA DISPERSAR". Alguém tem dúvida disso? É trágico e vergonhoso. DE OLHO NO MS.
 
Carlos Silva em 23/01/2013 10:25:55
Muito boa a reportagem sobre o o que acontece com este ponto turistico da nossa capital, que deveria ser um verdadeiro cartão postal. Agradeço a atenção do Campo Grande News que prova mais uma vez que a imprensa quando responsavel, não deixa de cumprir o seu papel de olhos e ouvidos da sociedade, fiscalizando e cobrando do poder publico as ações
necessarias para sanar os problemas existentes na nossa cidade.
 
JOSÉ AVELAR em 22/01/2013 20:59:17
Muito boa a reportagem sobre o o que acontece com este ponto turistico da nossa capital, que deveria ser um verdadeiro cartão postal. Agradeço a atenção do Campo Grande News que prova mais uma vez que a imprensa quando responsavel, não deixa de cumprir o seu papel de olhos e ouvidos da sociedade, fiscalizando e cobrando do poder publico as ações
necessarias para sanar os problemas existentes na nossa cidade.
 
Jose Avelar da Silva em 22/01/2013 20:58:32
A coisa realmente é muito feia nesse local, sem contar que nós evitamos passar por esse local. Se tem policiamento, nãp parece, porque os moradores de rua tomarm conta do local.
 
Luana Silva em 21/01/2013 12:51:57
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions