ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, TERÇA  22    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Motoristas dão trégua de 60 dias, sem parar transporte

Pelo menos pelos próximos 60 dias, não haverá greve no transporte coletivo de Campo Grande

Por Adriano Fernandes | 07/08/2020 20:00
Passageiros entrando em ônibus da Capital. (Foto: Henrique Kawaminami) 
Passageiros entrando em ônibus da Capital. (Foto: Henrique Kawaminami)

O sindicado dos motoristas e o Consórcio Guaicurus chegaram ao consenso de formalizar em até 60 dias, acordo coletivo em que negociarão requisitos e compensações para futuras dispensas em massa ocorridas durante a pandemia. Pelo menos durante este período, o SCTTU (Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Coletivo Urbano de Campo Grande), se comprometeu a não promover a paralisação dos funcionários do transporte na Capital.

Os detalhes do acordo foram firmados nesta tarde (07), durante audiência mediada pelo MPT-MS (Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul). O encontro foi proposto pelo órgão depois que a categoria ameaçou entrar em greve em protesto contra a lei municipal que altera punições administrativas aos trabalhadores e também pela demissão em massa de funcionários, durante a pandemia.

O sindicato alega que 320 trabalhadores já foram demitidos enquanto o consórcio, confirmou apenas 50. Conforme a ata da reunião, as homologações das rescisões do funcionários que virem a ser demitidos serão realizadas na sede do sindicato, devendo o consórcio disponibilizar todos os TRCT's (Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho) em 48h antes da homologação da rescisão contratual, para possibilitar a conferência dos valores a serem pagos.

No momento da homologação o consórcio também terá de comprovar a transferência bancária do pagamento integral das verbas rescisórias. Ainda conforme o combinado entre as partes até a próxima quarta-feira (12) o consórcio apresentará sua proposta compensatória aos 157 trabalhadores demitidos, considerando a proposta do MPT.

Tensão – O estopim da crise no transporte público da Capital foi a lei municipal que altera punições administrativas aos trabalhadores, transformando algumas delas em multa. Entre as medidas, prevê-se, por exemplo, cobrança de penalidade ao motorista que embarcar passageiro fora do ponto.

No mês passado quando a lei foi divulgada a paralisação dos servidores nas primeiras horas da manha já foi o suficiente para deixar passageiros isolados em pontos de ônibus e causar lotação dos terminais.

Para piorar a situação o Consórcio alegou que desde o início da pandemia, houve queda de 70% no fluxo de passageiros, o que pesou no caixa e resultou nas demissões em massa.