ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUARTA  12    CAMPO GRANDE 23º

Capital

MP cobra fiscalização do trabalho dos médicos especialistas em Campo Grande

Órgão abriu processo para verificar se acordo sobre produtividade e uso do ponto eletrônico é cumprido

Por Cassia Modena | 17/04/2024 12:01
Paciente chega para se consultar com especialista no CEM de Campo Grande (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)
Paciente chega para se consultar com especialista no CEM de Campo Grande (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)

A Prefeitura de Campo Grande deverá comprovar ao MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) que está fiscalizando o regime de trabalho dos médicos especialistas que atendem em locais como o CEM (Centro de Especialidades Médicas) e os CAPS (Centro de Atenção Psicossocial), por exemplo, e cumprindo acordo relacionado a isso que foi firmado judicialmente.

Processo administrativo aberto pelo órgão vai acompanhar se foram colocadas em prática mudanças na forma de "medir" o quanto o especialistas trabalham e saber se eles cumpriram seus horários. A prefeitura terá três meses para prestar as informações relacionadas.

O acordo prevê que a prefeitura apresente projeto de lei à Câmara de Vereadores para viabilizar a alteração, permitindo que o trabalho dos especialistas concursados e contratados pela prefeitura não seja só medido em horas, mas também avaliados em produtividade.

Assim, o número e qualidade das consultas feitas a pacientes do SUS passam a ter peso no regime de trabalho. O médico continuaria sendo cobrado de comprovar que trabalhou 50% da carga horária semanal, entretanto.

Outra medida é o registro de ponto eletrônico por todos os médicos especialistas no início do expediente. No acordo, o registro da saída é dispensado.

Campanhas educativas nas unidades básicas de saúde e entrega de questionários de avaliação aos pacientes atendidos são outros pontos acordados, que o MPMS quer saber se são realidade.

Sindicato e prefeitura - No mesmo processo, o Ministério Público cita o SinMed/MS (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul) pedindo que dê "esclarecimentos que entender cabíveis em relação a manifestação desfavorável da Secretaria Municipal de Saúde sobre o pedido de alteração do controle da jornada de trabalho dos médicos especialistas".

A reportagem procurou o presidente da entidade e perguntou sobre essa negativa, mas não teve retorno até a publicação desta matéria.

A prefeitura também foi questionada sobre estar ou não cumprindo o que o acordo prevê, mas a assessoria de imprensa ainda não respondeu. O espaço segue aberto.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias