A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

14/05/2016 15:06

Mulher de ex-secretário vai cumprir prisão em quarto sem tv e geladeira

Paulo Yafusso
Na Operação Fazendas de Lama foram apreendidos vários documentos (Foto: Fernando Antunes)Na Operação Fazendas de Lama foram apreendidos vários documentos (Foto: Fernando Antunes)

A advogada Rachel Rosa de Jesus Portela Giroto, mulher do ex-secretário estadual de Obras, Edson Giroto, vai ocupar um quarto no prédio do PME (Presídio Militar Estadual), que foi preparado para recebê-la dentro do que determina o Estatuto da OAB com relação aos profissionais que tiverem prisões decretadas pela justiça. Por enquanto ela está ocupando a sala destinada aos advogados na Superintendência da PF (Polícia Federal), para onde foi levada na manhã deste sábado (14).

A presidente da Comissão de Prerrogativas da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de Mato Grosso do Sul), Silmara Salamaia Gonçalves, esteve acompanhando Rachel Giroto na PF. Ela disse que a transferência da mulher de Edson Giroto para o PME está dependendo apenas da logística da Polícia Federal, e isso pode ocorrer ainda neste fim de semana.

Silmara Gonçalves esteve pessoalmente verificando o local onde Rachel Giroto vai ficar recolhida no PME. Ela explica que, pelo Estatuto da OAB, o advogado não pode ficar preso em local com grades e fechado. Por isso, o comando da PME providenciou um quarto que segue o que manda o Estatuto.

A presidente da Comissão de Prerrogativas não soube dizer o tamanho do quarto, mas disse que ele possui banheiro com chuveiro elétrico, beliche e ar condicionado. Mas não tem televisão, rádio e nem geladeira ou frigobar. Rachel ficará com a chave da porta e poderá circular pelo corredor, mas não pode deixar o local.

O advogado de Rachel Giroto, Valeriano Fontoura, havia conseguido na última terça-feira que a justiça permitisse que ela cumprisse a prisão temporária em regime domiciliar. Um dos argumentos usado por ele e que foi acatada pela juíza do caso, Monique Marchioli Leite, é de que no PME não havia local de acordo com o Estatuto da OAB para recebê-la. Outro argumento é de que ela tem filha de sete anos, que precisa da sua companhia.

Como o PME providenciou um local dentro das normas, agora Rachel Giroto não terá mais o benefício da prisão domiciliar. Além dela, tiveram as prisões temporárias convertidas em preventiva o marido Edson Giroto, o dono da Proteco, João Alberto Krampe Amorim dos Santos, a filha dele Ana Paula Amorim Dolzan, Elza Cristina Araújo dos Santos, sócia de Amorim na Proteco; Wilson Roberto Mariano de Oliveira, servidor da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos), a filha dele, Mariane Mariano de Oliveira, e o empresário Flávio Garcia Scrocchio, preso em Tanabi. (SP).

As prisões fazem parte da investigação da Operação Fazendas de Lama, deflagrada na última terça-feira (10) pela PF, CGU (Controladoria-Geral da União) e Receita Federal. É a segunda fase da Operação Lama Asfáltica, realizada em 9 de julho do ano passado, para investigar desvio de recursos federais na execução de obras em rodovias no estado.

Nesta segunda fase, as investigações apontam que os integrantes da organização usam o dinheiro desviado na compra de bens imóveis, principalmente fazendas, daí a operação levar o nome Fazendas de Lama. Segundo os coordenadores desse trabalho, já foram encontradas cerca de 67 mil hectares de fazendas em nome dos investigados.

Mariane Mariano e Elza Cristina dos Santos também haviam conseguido a prisão domiciliar, mas agora não se sabe se com a preventiva elas terão que retornar às celas da 3ª Delegacia de Polícia, no bairro Carandá Bosque, para onde foram levadas as mulheres presas na Fazendas de Lama.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions