A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

19/10/2015 23:40

Mulher resiste a convite ao pensar na filha e se salva de acidente trágico

Filipe Prado

A irmã de Marlen Alves Costa, 21 anos, que morreu em um acidente no dia 4 deste mês, em Ribas do Rio Pardo, cidade distante 103 quilômetros da Capital, não viajou com a família, porque sabia que o cunhado, Roberto Benites, 35, estava bêbado. A falta de cadeirinha para a filha também fez ela tomar a decisão.

Conforme depoimento da mulher, identificada como A.A.F, 26, ela chegou à casa do cunhado, por volta das 11h do dia anterior ao acidente. Ela percebeu que Roberto estava em visível estado de embriaguez e tentou tirar satisfação com o rapaz, porém ele brincou com a situação.

Roberto precisava viajar de Água Clara, onde mora, até Ribas do Rio Pardo e entregar o dinheiro da pensão para a ex-esposa. Marlen não queria ir com o marido, então convidou a irmã, para acompanhá-los, pedido negado por ela.

Marlen insistiu e disse que pagaria todas as suas contas da viagem, caso ela fosse com eles, mas a mulher decidiu ficar em casa.

Em depoimento, a mulher disse que o cunhado constantemente dirige embriagado e em alta velocidade. Ainda alegou que ela possui uma filha de 3 anos e o carro do autor, comprado há um mês, não possuía cadeirinha para a criança, então preferiu ficar em casa.

O casal saiu em direção a Ribas do Rio Pardo às 17h09, sendo que a informação sobre a morte de Marlen chegou á irmã às 3h da madrugada.

Acidente - Roberto seguia em um Palio e tinha como passageira a esposa, quando ao tentar ultrapassagem bateu de frente com carro Sandero conduzido pelo pastor Wanderson Duarte, 31, que tinha como passageiros a esposa Hellen Rolon de Souza Duarte, 31, os filhos Gabriela Duarte de Souza, 8, Lucas de Souza, 12, e a pastora Jocelise Pereira de Oliveira, 34. Helen e o autor foram os únicos sobreviventes. O acidente aconteceu no começo da noite do último sábado (3) no Km 180 da BR-262 no sentido Água Clara.

Após a colisão, os veículos pegaram fogo e três pessoas morreram carbonizadas. No local do crime foi encontrada uma lata de cerveja, possivelmente consumida pelo autor, que foi preso em flagrante após receber alta médica. Além de laudo médico comprovar a embriaguez, Roberto confessou que passou o dia consumindo bebida alcoólica com a esposa.



O certo era liberar quem quisesse beber só que punir caso cometa algo no trânsito ,agora proíbe acontece um acidente e libera com fiança ou seja nada acontece ,fingem que tem lei somente ,então libera dirigir como quiser e pune ,agora dizer que tem lei pra quem dirige embriagado piada de mal gosto.
 
JEFF em 20/10/2015 10:54:06
Parabéns a esta mulher que se recusou a acompanhar o cunhado, mas ela deveria ter acionado a polícia e denunciado que o cunhado estava embriagado e que iria pegar a estrada.
 
jukahballakid em 20/10/2015 09:51:15
Cadeia nele! Assassino! E tem que por na cadeia os que acham que podem dirigir embriagados, nos finais de semana é o mais se vê enfrente a conveniências são motoristas e motociclistas bebendo! A fiscalização tem que ser intensiva mesmo!
 
JULIANO em 20/10/2015 08:57:08
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions