ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Mulheres são maioria no concurso para conselheiros tutelares

Prova objetiva aconteceu nesta manhã, na UFMS; salário dos aprovados pode chegar a até R$ 10,9 mil

Natália Olliver e Antonio Bispo | 06/08/2023 10:49
Candidatas na saída do cincurso público neste domingo (Foto: Henrique Kawaminami)
Candidatas na saída do cincurso público neste domingo (Foto: Henrique Kawaminami)

A presença de mulheres no concurso público para conselheiros tutelares foi expressiva neste domingo (6), em Campo Grande. A primeira fase do exame foi realizada na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e teve duração de 3h. O concurso selecionará tanto profissionais titulares como suplentes, que atuarão no quadriênio 2024/2027.

Essa etapa testa os candidatos em assuntos como ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), Declaração dos Direitos Humanos, Lei Orgânica da Assistência Social, Lei Orgânica da Saúde. Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei Henry Borel - que assegura a prevenção e o enfrentamento da violência doméstica e familiar contra a criança e o adolescente - , entre outras que regem a profissão.

Alessandra Aparecida Silva, de 38 anos, foi uma das que saíram cedo da sala. A mulher, que atualmente trabalha com adestramento de cães, conta que achou o exame mais fácil do que imaginava. Ao Campo Grande News ela comenta que viu no concurso uma oportunidade de trabalhar com crianças e adolescentes.

Alessandra fez aprova em uma hora e achou o conteúdo mediano (Foto: Henrique Kawaminami)
Alessandra fez aprova em uma hora e achou o conteúdo mediano (Foto: Henrique Kawaminami)

“Eu achei meio termo, não estava totalmente fácil, mas também não estava difícil. Eu vejo como uma forma de estar com crianças e adolescentes, também sou formada em pedagogia, dá pra associar isso e há necessidade de ter conselheiros que trabalhem com essas crianças”.

Márcia Sampaio, de 46, é assistente social também concordo com a Alessandra sobre o grau de dificuldade da prova. “Tava fácil, não estava difícil, caiu mais sobre o ECA. Acho que a gente tem que saber pelo menos o básico pra poder trabalhar. Temos que saber o que fazemos”.

Márcia acha que questões com o ECA foram maioria na prova (Foto: Henrique Kawaminami)
Márcia acha que questões com o ECA foram maioria na prova (Foto: Henrique Kawaminami)

Ela está sem trabalhar, por isso resolveu prestar o concurso. “Eu gosto bastante dessa profissão, vi a oportunidade e resolvi fazer”, disse.

A professora, Juliana Santos, de 28 anos, fez o exame em 1h. Ela já havia prestado um concurso para a área em Nova Andradina, mas decidiu fazer novamente quando se mudou para a Capital. “Foi fácil, 25 questões. Lá estava como suplente, fui chamada, mas já estava aqui. O conselho sempre teve prova. Ela foi bem condizente, tudo o que estava no edital caiu”.

Juliana também fez a prova rápido e achou o conteúdo fácil (Foto: Henrique Kawaminami)
Juliana também fez a prova rápido e achou o conteúdo fácil (Foto: Henrique Kawaminami)

Próximas etapas - Os aprovados passarão ainda por prova prática de informática, avaliação de perfil e entrevista, na disputa pelo cargo que tem salário de R$ 5,9 mil, além de R$ 354 por plantão de 12h, o que pode elevar a remuneração mensal a até R$ 10,9 mil.

A concorrência diminuiu, ficando em 7,4 candidatos por cada uma das 40 vagas, depois que cinco pessoas tiveram a inscrição indeferida. Eram 302 com inscrições deferidas, mas o CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente) publicou retificação, excluindo os candidatos da disputa por não atenderem a determinados itens do edital e legislação.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias