ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUINTA  21    CAMPO GRANDE 31º

Capital

No comércio ou em casa, falta de luz é problema que se repete no Tijuca

Situação vem ocorrendo constantemente, segundo moradores, há pelo menos dois meses

Por Nyelder Rodrigues e Mirian Machado | 20/09/2021 12:48
Dono de conveniência afirma que falta de luz o faz perder vendas e acumular prejuízos no Tijuca. (Foto: Mirian Machado)
Dono de conveniência afirma que falta de luz o faz perder vendas e acumular prejuízos no Tijuca. (Foto: Mirian Machado)

Essencial para o cotidiano da sociedade, seja em casa ou fora dela, a energia elétrica basicamente move as diversas atividades realizadas atualmente. Diante de tal importância, a falta da eletricidade repetidas vezes, seja em casas e comércios, acaba se tornando em transtorno, como ocorre no Bairro Tijuca.

Na Rua Conde de Boa Vista, uma das principais da região, desde donas de casa até proprietário de conveniência reclamam da falta de luz, que começou por volta das 2h - e as quedas se repetem há pelo menos dois meses ali.

"Meu filho tem paralisia cerebral e se alimenta por sonda, é traqueostomizado. Ele não tem horário certo para comer ou para outras situações. Tudo acontece quando ele precisa. Aqui, a energia acaba de uma a duas vezes por semana", conta a dona de casa Lidia Mari Hundria da Silva, de 38 anos.

Lidia ainda acrescenta que, muitas vezes, a energia demora a voltar, o que faz com que ela tenha que procurar outro lugar para ficar. "Hoje é um desses dias, que demora, então, vou ter que levar meu filho para a casa da minha irmã, no Santo Emília, até que a energia volta", frisa a mulher, por volta das 11h.

Já a auxiliar contábil de 53 anos, Elisete Aguiar, afirma que estava dormindo, quando ocorreu a queda. "Há dois meses, vem acontecendo isso direto. Hoje, percebi que acabou a luz quando subiu um calor e o ar-condicionado estava desligado". A situação é reforçada por Rosana Brandão, de 34 anos.

Rua Conde de Boa Vista, que ficou sem energia elétrica durante toda manhã e madrugada (Foto: Miriam Machado)
Rua Conde de Boa Vista, que ficou sem energia elétrica durante toda manhã e madrugada (Foto: Miriam Machado)

"Minha madrinha veio hoje me visitar e está aqui no calor. Não tem como ligar ar-condicionado, não tem água gelada", destaca. Porém, não só casas, mas também o comércio sofre consequências da falta de luz.

Um dos locais é a conveniência administrada por Rafael Siqueira Silva, de 39 anos. Além das bebidas esquentarem, picolés vendidos por ele já derreteram. "Perdi vendas e estou perdendo produtos também, fora o perigo de queimar algum maquinário".

Para evitar sobrecargas de energia, ele diz que desliga o disjuntor e pede para vizinhos o avisarem quando a energia voltar. Entre esses vizinhos está Eduardo Dias, dono de um lava-jato que costuma atender até oito carros por dia.

"Só agora de manhã eu dispensei quatro clientes por falta de energia. Se voltar por agora [o fornecimento da energia], ainda dá tempo de ligar para os clientes e tentar fazer os serviços", comenta Dias, na esperança de não perder o dia.

Comerciante mostra produtos que precisam de refrigeração e foram perdidos com queda da energia (Foto: Miriam Machado)
Comerciante mostra produtos que precisam de refrigeração e foram perdidos com queda da energia (Foto: Miriam Machado)

Resposta da Energisa - A Energisa, concessionária responsável pelo fornecimento de energia elétrica em Mato Grosso do Sul, foi consultada pela reportagem e, em nota, respondeu que a interrupção de hoje foi causada por um transformador queimado.

"Consta no sistema da distribuidora, registro feito pelo cliente, às 3h24. O primeiro atendimento foi finalizado às 5h12 e nova equipe foi deslocada para concluir os reparos devido à complexidade do serviço", explica.

No mesmo texto, a Energisa ainda esclarece que não consta na solicitação do cliente citado na reportagem relato sobre a necessidade de equipamentos vitais, que garantem prioridade no atendimento. "Importante considerar que aqueles que dependem de equipamentos elétricos essenciais à vida devem realizar cadastro".

O cadastro pode ser feito em uma agência de atendimento da empresa, bastando portar atestado e laudo médico que comprove a necessidade da utilização dos referidos equipamentos e documento pessoal com foto. Dúvidas podem ser tiradas na mesma agência ou atendimento virtual pelo WhatsApp, no número (67) 99980-0698.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário