ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 23º

Capital

No desespero de achar filho no lixão, mãe reconhece menino em foto de jornal

Paula Maciulevicius | 29/12/2011 19:56

Foto mostra menino seguindo para o lixão. Horas antes de morrer soterrado. (Foto: Moisés Palácios/O Estado MS)
Foto mostra menino seguindo para o lixão. Horas antes de morrer soterrado. (Foto: Moisés Palácios/O Estado MS)

Em meio ao desespero e a esperança de achar o filho ainda com vida depois de soterrado no lixão, Lucilene Correa, 31 anos, reconheceu o menino em uma foto no jornal O Estado. A surpresa para todos foi que a foto registrava o caminho que Maikon deu as últimas pedaladas na garupa de uma bicicleta, rumo ao lixão, poucas horas antes ser soterrado.

“Viram meu filho e não fizeram nada, agora ele está morto”, gritava a mãe.

O menino passava com um amigo rumo ao lixão. Na foto, inclusive dá para ver de relance uma placa que deveria proibir a entrada de crianças, escondida atrás de uma árvore.

O repórter do jornal, Rafael Bueno, foi quem flagrou os meninos na bicicleta enquanto entrevistava um senhor, catador do lixão.

“Ao mesmo tempo eles estavam passando de bicicleta e eu disse espera aí, vocês estão indo trabalhar no lixão?”

Depois das respostas afirmativas do mais velho, o garoto de 14 anos, que dizia ter de ir pro lixão nas férias para ajudar o tio no sustento da casa, a dupla seguiu sorrindo e acenando.

“Vai indo que a gente vai tirar foto, vai normal. Aí eles entraram no lixão”, contou o repórter.

O desespero de uma mãe aos prantos. A esperança chegou ao fim depois que bombeiros retiraram corpo de criança. (Foto: João Garrigó)
O desespero de uma mãe aos prantos. A esperança chegou ao fim depois que bombeiros retiraram corpo de criança. (Foto: João Garrigó)

Durante a entrevista para o jornal O Estado, o mais velho disse do sonho de ser bombeiro para ajudar muita gente, enquanto Maikon ficou de cabeça baixa, tímido, apenas comentando o que o colega respondia.

Na mesma manhã do flagrante da foto, a prefeitura informou que técnicos da Assistência Social visitaram a família do garoto, vítima do acidente, justamente alertando dos perigos de crianças no lixão.

O caso teve grande repercussão. Entre as 20h de buscas pelo corpo da criança, catadores deixaram de lado o ganha pão e solidariedade à família. Muitos deles acompanharam todo o trabalho dos bombeiros.

Desde o desmoronamento, o lixão, palco de cenas em que adultos e crianças tem como trabalho catar o lixo depositado pela cidade toda, sem preparo e material nenhum, virou cenário de apreensão e lágrimas.

Das 16h30 de quarta-feira até o final da manhã de hoje os pais de Maikon, Lucilene e Reginaldo Pereira de Andrade, 33 anos, passaram o tempo todo com o coração na mão e choro nos olhos. E não foram os únicos, a emoção conteve quem estava acompanhando de perto, de imprensa, aos bombeiros, Defesa Civil e catadores que viam no local de trabalho o corpo de uma criança de 9 anos ser retirado de debaixo de toneladas de lixo.

Nos siga no Google Notícias