A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

20/01/2013 09:31

Nova associação de Anhanduí tenta há sete meses tomar posse

Presidente que estava no poder há 17 anos se nega a entregar chaves

Helton Verão
Elisabeth apresenta documento da Seintrha e boletins de ocorrências, tudo para conseguir a sua posse (Foto: João Garrigó)Elisabeth apresenta documento da Seintrha e boletins de ocorrências, tudo para conseguir a sua posse (Foto: João Garrigó)
O terreno (a esquerda) e o salão comunitário fechado a população (Foto: João Garrigó)O terreno (a esquerda) e o salão comunitário fechado a população (Foto: João Garrigó)

O distrito de Anhanduí vive um imbróglio de quase sete meses sobre o resultado da eleição para presidência da Associação de Moradores. A votação que aconteceu em junho do ano passado, registrou a vitória da chapa 2, liderada por Elisabeth Pannebecker, mas o presidente, Nailo Resende Barbosa, de 66 anos, que esteve no poder por 17 anos, se nega a entregar as chaves da associação, alegando que a eleição não foi oficial.

A presidente eleita já registrou dois boletins de ocorrência na Polícia Também notificou na Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação) sobre o caso, mas segundo ela, não houve sucesso nas solicitações de entrega das chaves e documentos.

“Ele está no poder há 17 anos, nunca fez nada por Anhanduí, a chapa dele topou a eleição achando que ganharia fácil, acabaram derrotados, agora não quer de jeito algum entregar as chaves da associação”, reclama a nova presidente.

Segundo Elisabeth, além de não entregar as chaves do salão comunitário do distrito, Nailo estaria isolando algumas partes do terreno para uso pessoal e chegou a dizer que só entregaria se fosse com a condição que o terreno ficasse com ele.

“A princípio ele na anunciou na rádio da cidade que entregaria as chaves, depois voltou atrás, sempre respondendo que a parte do distrito está lá (salão), querendo uma espécie de algo em troca, que seria esta parte do terreno”, conta Elisabeth.

Outras acusações são feitas pela chapa vencedora e também os moradores, como a utilização do salão comunitário para uso pessoal, como estoque de aparelhos e móveis, além de já ter alugado o mesmo para firmas e empresas e todo o embolso também teria ficado com Nailo.

“Não temos ideia qual é a função da Associação de Moradores aqui, pois não acontece nada aqui em Anhanduí. Se aquele salão era para uso comunitário, faz muito tempo que não vejo ele aberto”, comenta o comerciante Mario de Oliveira, de 53 anos.

 

Salão segue trancado sem qualquer utilização pública nos últimos anos (Foto: João Garrigó)Salão segue trancado sem qualquer utilização pública nos últimos anos (Foto: João Garrigó)

O repositor de estoque Givaldo Alves, de 35 anos, também afirmou que o salão não tem sido utilizado há muito tempo. “A última vez que vi ele aberto foi durante a reforma, mas na verdade acho que faltou dinheiro por que ela não foi concluída”, lamenta.

A reportagem do Campo Grande News conversou com Nailo Resende, que afirmou não entregar as chaves e documentação da associação por a eleição que foi realizada, segundo ele não ter sido legítima.

“A eleição não foi oficial, não posso entregar a chave para qualquer para algo que não foi verdadeira”, afirma Resende. Sobre o salão, ele confirma ter materiais e móveis pessoais estocados no espaço comunitário, mas diz que na primeira oportunidade o desocuparia, para a nova gestão.

Segundo Nailo, ele não teve qualquer tipo de ligação com a chapa derrotada na eleição. E que o terreno cercado ao lado do galpão comunitário não tem nenhum tipo de registro, possibilitando assim a legalização em seu nome.

A eleição da Associação de Moradores de Anhanduí foi convocada pela UMAM (União Municipal das Associações de Moradores), e protocolada em cartório.

A prefeitura municipal de Campo Grande, que tem a responsabilidade pelo distrito, se pronunciou através da sua assessoria de comunicação, e diz não poder interferir nas decisões de associações como a de Anhanduí. Sobre a questão do terreno, se considerado de posse do município, será exigida a desapropriação assim que for necessária a utilização da mesma.

A presidente eleita, dona Elisabeth Pannebecker, diz estar planejando iniciar os cursos para a população da região e reuniões para a gestão da Associação dos Moradores em sua própria residência, inclusive a “cerimônia” de posse.

Entre a população, o desejo pela emancipação do distrito é quase unânime, todos os entrevistados pela reportagem expressaram o desejo por um governante local e independente.

Até o momento, não existe nenhum compromisso agendado pelo prefeito Alcides Bernal para Anhanduí.

Homem é ferido a tiro em saída de pagode no Bairro Taquarussu
Giovani Rodrigues Barbosa, 22 anos, foi baleado no tórax na saída de um pagode, na madrugada deste domingo (18), na Avenida Presidente Ernesto Geisel...
Abstenção em concurso da Câmara Municipal da Capital passa dos 30%
O domingo (17) foi de provas para milhares de campo-grandenses, tanto na manhã como no período da tarde, no concurso da Câmara Municipal, que segundo...
Com forte dores, mulher reclama de falta de atendimento em UPA
Mesmo apresentando fortes dores e inchaço na região do estômago, sem conseguir comer a três dias, uma mulher que procurou atendimento na UPA (Unidade...


E como sempre Anhanduí vai sendo desprezada, infelizmente ainda parce "terra sem lei". Lamentável! Um cidadão que se considera mais importante que a vontade dos moradores pode ter ser considerado ainda presidente de uma assiciação que deveria ser dos moradores? Se acha tão "dono" que agora, no apagar das luzes ainda quer um pedaço pra ele mesmo... E a prefeitura ainda "lava as mãos" diante do fato. Pois é, como deveriam agir os moradores para poder obter sua associação de volta? Vão ter que "invadir com um trator"? Por piedade prefeitura não seja omissa, é seu dever defender o interesse dos moradores, pois dessa forma estão privilegiando uma pessoa arrogante em vez da população. Interesses próprios ao invés do bem comum. Não se esqueçam que Anhanduí ainda é Campo Grande... Ainda.
 
Leandro Weber em 20/01/2013 23:50:08
Elisabeth, quero te dizer q ñ desanima se esta legalizada, registrada ñ tem o porque de ñ lutar é por essas e outras q quando buscamos fazer um trabalho sério temos dificuldades, outra quando esse cidadão se propôs a ser uma liderança ele sabia que o trabalho é por amor, por busca de melhorias, por estar fazendo algo a si mesmo e pelo próximo e em momento nenhum ñ devemos pensar q somos eternos q ninguém irá nos substituir e mais q área de associação é do poder público destinada aos moradores q precisam de um local de atendimento, um local aonde acolhe os problemas da comunidade e ajudam a resolver, por isso lute com fé, coragem, q vc vai vencer, sempre com objetivos nas palavras, q a população irá te apoiar e ajuda-la. Ass. Leonor Nazário Presidente e Conselheira Regional do Anhanduizinho
 
Leonor S. Nazário em 20/01/2013 21:37:54
Mandado de segurança contra estas arbitrariedades, oras. Usem a lei, a única que pessoas sem caráter obedecem... se bem que....
 
Luciano Correia em 20/01/2013 21:34:51
É sempre assim, ninguem nunca faz nada pra ajudar o Distrito de anhandui e quando aparece alguém mostrando interesse em ajudar o desenvolvimento do local é impedido de exercer os seus direitos pois é barrada numa burogracia sem limites onde as autoridades não faz nada pra ajudar quem realmente quer trabalhar pela população é lamentalvel é uma vergonha!!!!Cada a justiça !!!!! Não é epoca de eleição não é!!!!Agora somos esquecidos!!!!! é triste!!!!!
 
lucimar martins em 20/01/2013 20:29:03
Bom dia Sr Alcides Bernal!! Os moradores deste distrito também acreditaram no senhor, e lhe deram muitos votos de confiança. Que tal programar com seus secretários uma visita até aquele pedaço esquecido do município de Campo Grande.
Esse fato, é apenas um dos problemas daquela comunidade a serem solucionados.
Estamos de olho.
 
Reinaldo Carmona em 20/01/2013 10:38:34
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions