ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  11    CAMPO GRANDE 28º

Capital

Pais revoltados dizem que azar é morar no mesmo bairro de desembargador

Por Ângela Kempfer e Mariana Castelar | 25/03/2016 08:56
Bebida apreendida em casa no bairro Santa Fé.
Bebida apreendida em casa no bairro Santa Fé.

Pais aguardam a liberação dos jovens que foram detidos na madrugada de hoje, depois de uma festinha animada no mesmo bairro do desembargador Luiz Gonzaga Mendes Marques, o Santa Fé. Na delegacia, estão 5 casais e um advogado. Nenhum quis gravar entrevista, mas eles demonstram revolta diante da ação policial.

Sem se identificar, o homem que parece ser o dono da casa onde ocorreu a festa reclama do “azar” de morar ao lado de um desembargador. “Tanta coisa importante para a polícia fazer e ficam pegando no pé de festa como de qualquer outro jovem. Esses dias me roubaram e a polícia não fez nada até agora”, reclamou.

Outro disse que "se a polícia agisse com tanto fervor contra outros crimes, estaríamos felizes. Mas agir por causa de uma pessoa influente, é errado".

Um dos principais motivos de revolta foi o fato dos filhos serem levados em camburão. "Porque não prenderam só o dono da casa ou chamaram os pais e encaminharam cada um para as suas casas? Nossos filhos não são bandidos", protestou um dos pais.

O advogado Fábio Theodoro de Farias acompanha as famílias, mas também não quis falar à imprensa.

A polícia esperava a chegada do desembargador para finalizar o Boletim de Ocorrência e liberar o grupo de 28 jovens que aguardam no pátio da delegacia.

Há pouco, Luiz Gonzaga apareceu, mas não quis dar entrevista. Depois de 3 tentativas de reduzir o volume da festa, o próprio desembargador foi com a polícia até o endereço. No local, eles foram recebidos com vaias.

O delegado Emilton Zala garante que não houve abuso de poder ou excessos no caso. Segundo ele, os jovens “desafiaram o Estado”, porque foram advertidos por 3 vezes e zombaram da ação da Polícia. “A gente poderia estar fazendo mesmo coisas muito mais importantes, mas eles ignoraram a presença do Estado, desafiaram. Não vamos admitir isso”, comentou.

Jovens aguardam liberação no pátio da delegacia.
Jovens aguardam liberação no pátio da delegacia.