A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

06/04/2014 19:48

Para delegada, bandidos são tão cruéis que ficaram 5 dias em casa com corpo

Ângela Kempfer e Graziela Resende
Para delegada, bandidos são tão cruéis que ficaram 5 dias em casa com corpo

A delegada Maria de Lourdes Cano considera o crime contra o empresário Erlon Peterson Bernal, 32 anos, algo “cruel e bárbaro”. Segundo ela, até um sofá e concreto foram jogados sobre o corpo para dificultar a localização. Mas o pior, na avaliação dela, é o fato de parte dos responsáveis continuarem morando na casa, mesmo com um corpo no quintal. "Se trata latrocínio, mas o questionamento que fica é: porque matar?", ressalta.

A titular da Defurv (Delegacia de Furto e Roubo de Veículos) garante que a Polícia Civil só chegou ao cadáver graças à investigação. “Não houve ligação anônima alguma sobre o mau cheiro. Pelo menos não para nós”, afirma, negando informação repassada anteriormente pela Polícia Militar.

Hoje à tarde, quando a equipe chegou ao imóvel na rua Rio Grande, esquina com avenida Souto Maior, no bairro São Jorge da Lagoa, o portão estava com cadeado. Os policiais tiveram de pular o muro e logo perceberam o odor forte vindo do quintal.

Apesar de casos semelhantes, como dos estudantes Breno e Leonardo, que também morreram após roubo de veículo, Maria de Lourdes comenta que esse tipo de desfecho não é comum em Campo Grande.

Ao que tudo indica, Erlon morreu na terça-feira, logo depois de encontrar os bandidos na saída para São Paulo, onde foi para levar o carro que estava à venda a supostos interessados na compra. A Polícia acha que o assassinato ocorreu em um local e depois o corpo foi jogado em uma fossa séptica, na casa do São Jorge da Lagoa.

Ainda não é possível garantir que a morte foi provocada por tiro, já que o corpo está em decomposição e muito inchado.
Pelo menos 3 pessoas foram presas, mas a delegada ainda não detalhou qual a participação de cada um deles crime.

Também há informação de que 2 pessoas de São Paulo foram detidas e que uma adolescente está envolvida no crime.
Como o assassinato tem como motivo, a principio, o roubo do veículo, uma das suspeitas é de que tenha sido encomendado de dentro de um dos presídios de Campo Grande.

Na rua onde o corpo foi encontrado, muitos moradores acompanham a retirada de Erlon. Vizinhos garantem que não suspeitaram de nada e se dizem surpresos com a proximidade do crime. “Eu estava acompanhando pela imprensa, mas não imaginava que estava tão perto de casa”, comenta a estudante Camila Silva, de 19 anos.

O pedreiro Jerson Siqueira Gonçalves, de 56 anos, mora há 12 anos no bairro, a cerca de 2 quadra do local usado pelos bandidos. “Todos ficam muito tristes, imaginando o sentimento da família”, lamenta.

Os suspeitos de envolvimento acompanham a operação de retirada do corpo de dentro de viaturas da Polícia Civil.



COMO NO BRASIL NÃO EXISTE JUSTIÇA, ESSES COVARDES VÃO FICAR SÓ ALGUNS ANINHOS NA CADEIA E VÃO SER LIBERADOS POR BOA CONDUTA LA DENTRO. AGORA PERGUNTO, PRA QUE PRENDER ? TERIA QUE APAGAR ALI NA HORA, PRENDER BANDIDO NUNCA ADIANTOU, PQ NUNCA VAI EXISTIR RECUPERAÇÃO.
 
fabiano santos em 07/04/2014 08:47:45
Que barbárie, uma vida não vale nada por causa de um carro esses matam um trabalhador por nada, que Deus possa conforta a familia e que a justiça seja feita
 
Silvia de Oliveira Mota em 06/04/2014 19:42:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions