ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Pedreiro que matou ex a facadas na frente dos filhos vai a júri em novembro

Crime aconteceu em março deste ano e homem foi preso dois dias depois em Ribas do Rio Pardo

Ana Paula Chuva | 01/11/2022 13:00
Fabiano sendo levado para a Deam em março deste ano, onde foi ouvido pela polícia. (Foto: Paulo Francis)
Fabiano sendo levado para a Deam em março deste ano, onde foi ouvido pela polícia. (Foto: Paulo Francis)

Às 8h do dia 16 de novembro, o pedreiro Fabiano Querino dos Santos, 35 anos, senta no banco dos réus da 1ª Vara do Tribunal do Júri. O homem é acusado de matar a ex-esposa Eloisa Rodrigues de Oliveira, a facadas, na frente dos três filhos, no dia 16 de março deste ano. O crime acontece na casa da mulher no Bairro Parque do Lageado, em Campo Grande.

Fabiano chegou a fugir após o crime, mas acabou preso dois dias depois em Ribas do Rio Pardo, a 98 km da Capital. O homem foi encontrado após diversas denúncias sobre o seu paradeiro. Ele estava em uma casa no Bairro São Sebastião.

Em depoimento da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) o pedreiro chegou a afirmar que preferiu matar a ex do que bater nela. Ele ainda disse que a vítima deu todos os motivos para ser assassinada.

Além dele, também será julgado por feminicídio no mês de novembro, dia 21, Adailton Freixeira da Silva, 46 anos. O homem é acusado de torturar por 27 dias a esposa Francielli Guimarães e matá-la, na frente dos filhos. A mulher estava sendo mantida em cárcere desde o dia 1º de janeiro de 2022. A Policia Militar chegou a ir na casa do casal, no Bairro Portal Caiobá, por três vezes, mas a vítima dizia que estava tudo bem.

Adailton ao deixar sala de audiência no Fórum de Campo Grande, em maio deste ano. (Foto: Kísie Ainoã)
Adailton ao deixar sala de audiência no Fórum de Campo Grande, em maio deste ano. (Foto: Kísie Ainoã)

A mulher morreu no dia 26 daquele mês estrangulada com uma corda. Adailton fugiu em seguida e acabou sendo preso cinco dias depois na rodoviária de Cuiabá (MT). À polícia ele confessou que matou Francielli, no entanto negou que a manteve em cárcere e a torturou. Na versão dele, o casal brigou porque a vítima queria que a filha voltasse a morar na casa que ele havia expulsado há 3 anos.

Outro que praticou crime contra mulher e vai a julgamento neste mês de novembro é Anderson de Souza Neves. Ele é acusado de tentar matar a esposa, que para se defender das agressões acabou esfaqueando o homem no pescoço. O caso aconteceu em setembro de 2021, na Fazenda Jatobá, região da Gameleira, em Campo Grande.

Na pauta da 2ª Vara do Tribunal do Júri ainda está o julgamento de Lucas Luis Benites, no dia 18, mas o caso está em sigilo. Já Silvio Miranda, acusado de matar a facada Ricardo Oldenburg, em dezembro de 2020, na Rua Senador, Bairro Jardim Paulista, senta no banco dos réus dia 23.

Réu saindo de sala de audiência na tarde do dia 1º de agosto deste ano. (Foto: Paulo Francis)
Réu saindo de sala de audiência na tarde do dia 1º de agosto deste ano. (Foto: Paulo Francis)

 
Remarcados – Dois júris remarcados acontecem na 2ª Vara do Tribunal do Júri ainda em novembro. O primeiro deles do ex-militar da Aeronáutica, Tamerson Ribeiro de Lima Souza. Ele é acusado de matar a esposa Natalin Nara Garcia de Freitas Maia por estrangulamento e jogar o corpo às margens da BR-060.

Tamerson seria julgado no dia 5 de outubro, mas o júri foi adiado por falta de laudos. Na ocasião familiares de Natalin chegaram a ir ao Fórum de Campo Grande, mas o juiz Aluízio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Mato Grosso do Sul, afirmou que precisa que todos os laudos estejam juntos ao processo e que "não há outra saída a não ser o adiamento".

No dia 30 é a vez de Simei Fonseca de Araújo e Josiane Nunes Conceição. Os dois são acusados pelo triplo assassinato na madrugada do dia 31 de outubro de 2020, na Rua Augusta Rossini Guidi, Bairro Jardim Sumatra. Eles sentariam no banco dos réus no dia 28 de setembro, mas a Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul pediu o cancelamento.

Polícia Militar no local onde o corpo de Tiago foi encontrado. (Foto: Henrique Kawaminami)
Polícia Militar no local onde o corpo de Tiago foi encontrado. (Foto: Henrique Kawaminami)

1ª Vara – Na 1ª Vara do Tribunal do  Júri, a pauta começou nesta terça-feira (1°) com o julgamento de Jorge Anderson Pereira Mota Lavales. Ele é acusado de matar Hernandes Sérgio da Silva, após uma discussão que acabou em acusação de pedofilia, no Jardim Inápolis, dia 12 de julho de 2020.

No dia 10, passa pelo julgamento Silvana Gonçalves dos Santos, acusada de matar a pauladas um homem identificado apenas como Eneias, por uma suspeita de furto. Após uma discussão na Avenida Guaicurus, Bairro Jardim Campo Alto, em janeiro de 2016, a vítima foi agredida e morreu três dias depois na Santa Casa.

Sete dias depois, vão a júri Matheus Henrique de Oliveira Moraes, Matheus Pereira Fernandes e Weuller Gabriel Silva de Almeida, pela morte do adolescente de 17 anos, Tiago da Silva de Jesus. O crime aconteceu dia 8 de janeiro de 2019, no Jardim Hortênsias. Conforme informações da época, a vítima teve a morte divulgada no Facebook pelos assassinos e horas depois foi encontrado estrangulado.

A lista termina com o julgamento de Severiano Rodrigues da Silva às 8h do dia 22. O homem é acusado de matar a tiros Luis Carlos Pires, no dia 16 de abril de 2016, em um bar na região do Bairro Jardim Carioca.

Nos siga no Google Notícias