A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019

08/05/2019 10:54

Polícia deixa Secretaria de Educação levando mala de documentos

Operação investiga organização criminosa que fraudava licitações para a construção e reforma de escolas estaduais

Fernanda Palheta e Mirian Machado
Além da mala de documentos, os policiais federais deixaram a SED com caixas e pastas com documentos (Foto: Mirian Machado)Além da mala de documentos, os policiais federais deixaram a SED com caixas e pastas com documentos (Foto: Mirian Machado)

Depois de três horas e meia, policiais federais que cumpriram mandados de busca e apreensão na SED (Secretaria de Estadual de Educação) acabaram de deixar o prédio com uma mala de documentos. A ação faz parte da Operação Nota Zero, deflagrada na manhã desta quarta-feira (8).

A PF (Polícia Federal) chegou à Secretaria por volta de 6h. As duas últimas equipes da Operação saíram do prédio lá pelas 10h30, em dois carros descaracterizados. Além da mala de documentos, os policiais federais deixaram o local com caixas e pastas com documentos.

Durante a ação, no início da manhã, uma equipe da PF já havia deixado a Secretaria com um malote. Por volta de 8h, a primeira leva com documentos apreendidos chegou a Superintendência PF.

A PF realizou a ação na Coordenadoria de Infraestrutura da Secretaria. Apenas as chefias da Secretaria permaneceram no prédio. Uma fita zebrada na escada de acesso ao piso superior da SED ainda impede a passagem. Segundo informações, as atividades no piso térreo seguiram normalmente durante a ação da PF.

Pegos de surpresa, os servidores estaduais da SED foram impedidos de entrar no prédio às 7h30 quando tem início o expediente. Todos os funcionários da SED ficaram por cerca de 20 minutos do lado de fora do prédio no Parque dos Poderes, enquanto policiais vasculhavam o prédio. Os funcionários foram dispensados e deve retornar o trabalho a partir de 12h.

Fraude - A ação mira contratos fraudulentos que podem chegar a quase R$ 10 milhões. As irregularidades são investigadas em obras de reforma e construção de escolas, principalmente, de período integral. Em um dos casos, a PF investiga uma empresa que foi criada apenas 6 dias antes de edital  ser publicado para obras na SED. O prazo indica manobra com cartas marcadas para vencer a concorrência.

Ainda conforme a Polícia Federal, há servidores em cargo de chefia envolvidos no esquema de pagamento de proprinas mensalmente, como uma mesada. A fraude envolve 11 empresas, contempladas com 1 licitação cada, sempre com o preço máximo estabelecido para a obra.

Um dos funcionários foi filmado recebendo R$ 6 mil de empresário e grampos telefônicos revelaram “jeitinho” para lucrar em obras.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions