A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

05/09/2013 11:57

Polícia descobriu assassinos de delegado com denúncias e quebra de sigilo

Evelyn Souza e Graziela Rezende
Rafael Leonardo dos Santos, foragido. (Foto: Polícia Civil)Rafael Leonardo dos Santos, foragido. (Foto: Polícia Civil)

O delegado Alberto Vieira Rossi, um dos responsáveis pela investigação da morte do delegado aposentado Paulo Magalhães Araújo, de 57 anos, disse que denúncias anônimas, a quebra de sigilo telefônico, bancário e a identificação da moto utilizada no crime foram fundamentais para chegar até os responsáveis pelo crime.

Ao todo, três pessoas são suspeitas: O guarda municipal José Moreira Freires, o Zezinho, 40 anos, e Antônio BenitezCristaldo, 37. O terceiro envolvido, Rafael Leonardo dos Santos, 29 anos, está foragido.

Segundo a Polícia, Antônio foi o responsável por pilotar a motocicleta utilizada no crime, uma Honda CG 300. José Moreira, que estava na garupa, efetuou os disparos. Já Rafael, que está foragido, dava cobertura ao crime, em um Fiat Pálio, de cor preta.

“Desde o dia do crime, recebemos denúncias que falavam até os nomes dos suspeitos, mas precisávamos de provas”, explicou o delegado Rossi, titular do Garras.

Rossi também relatou que as imagens do circuito externo de lojas e residências, próximas ao colégio da filha e a casa do delegado, identificaram parte da placa da motocicleta. Durante as investigações, a Polícia constatou que três veículos poderiam ser o que os autores utilizaram, entre eles, uma motocicleta que foi comprada através de “bob”, quando existe o financiamento, mas não pagam as parcelas.

“Essa moto foi comprada um mês antes, só para o assassinato. Através disso, chegamos até o Antônio. Já os outros dois, identificamos pelas características, através das imagens”, conta.

Segundo a Polícia, a quebra do sigilo telefônico comprova que os três suspeitos, estão envolvidos no crime. 

Patrimônio – A Polícia acredita que o trio tenha recebido uma boa quantia em dinheiro para a execução do delegado Paulo Magalhães. O próximo passo agora, é analisar os bens e as compras que foram feitas pelos suspeitos, após a data do crime.



acho que antes de jugar deveria ter certeza das dos fatos pois ainda estão investigando e vcs ja jugando e acusando,todos tem direito de defesa e ate que se prove o contrario todos são inocentes,todos podem ser indiciados mas ate que se prove é apenas indiciados.
 
edgar cassol em 06/09/2013 13:01:02
se fosse na fronteira, eles diriam até mais crimes que cometeram, mas, esse caso está encerrado, logo vão aparecer enforcados, dizendo q houve suicídio, infelizmente ainda no ms, a polícia não tem peito para prender bicho grande, cito por exemplo o caso motel etc etc etc.....
 
marcos peralta em 05/09/2013 21:27:51
Engraçado que nem se fala dos mandantes....
 
joao bolao em 05/09/2013 14:30:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions