A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 19 de Abril de 2019

08/01/2019 11:02

Polícia investiga como droga entrou na casa de bebê que tomou vodka

A mãe pode responder por abandono de incapaz, cuja pena varia de seis a três anos de prisão

Viviane Oliveira
Casa onde a criança foi encontrada deitada na calçada sob efeito de álcool (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)Casa onde a criança foi encontrada deitada na calçada sob efeito de álcool (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)

A Polícia Civil investiga como droga entrou na casa do bebê de 2 anos que foi socorrido desacordado após beber vodka com energético e inalar fumaça de maconha. A criança tem paralisia cerebral. O caso aconteceu na noite de domingo (6), no Jardim das Macaúbas, em Campo Grande.

A mulher de 32 anos contou que saiu com uma colega para buscar açúcar na casa de um conhecido e deixou a criança com a irmã de 11 anos, que faz uso de droga e também de bebida alcoólica. Quando retornou, cerca de 1 hora depois, o menino havia sido socorrido por vizinhos que acionaram a Polícia Militar e Corpo de Bombeiros.

Conforme a delegada Anne Karine Sanches Trevizan, da Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), havia mais dois adolescentes na residência. “Vamos ouvir todos os envolvidos. Ainda não sabemos como a droga entrou na casa. Se foram os meninos que levaram ou se pertencia a mãe”, diz. 

A mãe da criança será ouvida ainda nesta manhã (8) na delegacia especializada. Ela pode responder por abandono de incapaz, cuja pena varia de seis a três anos de prisão. O bebê passou por exame de corpo delito para saber se consumiu bebida alcoólica e inalou fumaça de maconha, porém o resultado deve sair nos próximos dias.

Socorro - O bebê foi socorrido à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Universitário. Lá, foi ministrado soro e constatado preliminarmente que a criança havia ingerido bebida alcoólica e inalado fumaça de maconha. O menino recebeu alta ainda durante a madrugada. Tanto o bebê quando a irmã foram atendidos pela assistente social da unidade e depois entregues à mãe. A mulher foi ouvida na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Vila Piratininga e na sequência liberada. Por envolver crianças, o nome da mãe é preservado por imposição do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions