ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 14º

Capital

Polícia vasculha celulares para confirmar confissão de feminicídio por R$ 50

Perícia nos celulares de Silvana dos Santos e do preso pelo assassinato são ponto final para inquérito

Anahi Zurutuza | 30/08/2021 15:10
Silvana Domingos dos Santos, de 31 anos, foi morta a golpes de barra de ferro. (Foto: Reprodução das redes sociais)
Silvana Domingos dos Santos, de 31 anos, foi morta a golpes de barra de ferro. (Foto: Reprodução das redes sociais)

As perícias nos celulares de Silvana Domingos dos Santos, morta a golpes de barra de ferro aos 31 anos, e do assassino confesso, um pedreiro de 27 anos, devem colocar fim à investigação e dirimir qualquer dúvida sobre a motivação do assassinato.

A família da vítima contesta a versão dada pelo agressor, de que teve uma briga com Silvana por causa de valor e tempo combinado para programa sexual e por isso a matou. De acordo com a delegada Bárbara Camargo Alves, responsável pelo inquérito, até agora “nada aponta” para outro caminho, diferente do já traçado pela investigação, mas se qualquer informação surgir indicando outra direção, a polícia vai apurar.

Por enquanto, para a delegada, “o caso está solucionado”. Faltam resultados de algumas perícias para a conclusão do inquérito, inclusive, a dos celulares da vítima e do pedreiro. Na análise de conteúdo encontrado nos aparelhos, será possível saber, por exemplo, com que fim Silvana e o assassino marcaram encontro e se ele conversou com alguém sobre o assassinato.

Silvana foi morta no dia 17 de agosto, em uma casa, no Jardim Los Angeles. Na versão do preso pelo crime, ele a matou porque a vítima se recusou a devolver parte do valor que o homem pagou por programa. O pedreiro afirma que pagou R$ 100 para ficar por uma hora com a mulher, mas esteve com ela por apenas 30 minutos. Por isso, exigiu a devolução de R$ 50.

O assassino disse à polícia que se descontrolou, saiu no quintal da casa, onde encontrou a barra de ferro, e voltou para agredir Silvana. Inicialmente, a polícia suspeitou que ela havia sido morta com três tiros na parte posterior do crânio. Mais tarde, a perícia constatou que as lesões eram resultado de pancadas consecutivas.

O suspeito foi encontrado graças ao celular da vítima, levado por ele e vendido por R$ 500 depois do crime.

A diarista Rosana Domingos, 52 anos, mãe de Silvana, garante que a filha não era garota de programa e acredita que ela tenha vítima de “uma armação”. “Meu coração de mãe diz que isso aí tá tudo errado, tenho certeza que não é isso, vou viver para poder ver a verdade”, disse nesta manhã, ao Campo Grande News, em frente à Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), onde esteve para saber detalhes do caso.

Nos siga no Google Notícias