ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, SÁBADO  02    CAMPO GRANDE 35º

Capital

Ponto com maior estrago, residencial tem ação emergencial para repor telhados

Casas foram entregues há quatro meses e empresa culpa vento de 77 km/h

Aline dos Santos e Bruna Marques | 07/10/2022 08:40
Telhas de nove casas voaram durante a ventania da tarde de quinta-feira. (Foto: Marcos Maluf)
Telhas de nove casas voaram durante a ventania da tarde de quinta-feira. (Foto: Marcos Maluf)

Ponto com os maiores estragos provocado pelo vento de quase 77 km/h que varreu Campo Grande na tarde de ontem, o Residencial José Teruel Filho, antiga favela Cidade de Deus, recebeu reparos provisórios durante a noite e as nove casas parcialmente destelhadas serão consertadas durante a sexta-feira.

Uma dos imóveis é de Cenir Gonçalves, 27 anos. Ela mora com marido e quatro filhos, com idades entre dois e 10 anos. Durante a ventania, ninguém estava na casa. “Na hora que caiu a telha, tinha ido buscar um dos meus filhos na creche, dois estavam na escola e um estava comigo. Quando cheguei à creche, começou o areião. Quando voltei, as telhas já tinham caído. Mas não tivemos prejuízos”, diz.

Cenir retirou móveis e a casa teve a telha recolocada de forma provisória. Os imóveis foram entregues há quatro meses, na Rua Cenira Soares Magalhães, no Bairro Dom Antônio Barbosa, perto de onde era o lixão da cidade, que foi desativado. No local, há uma cortina arbórea, um paredão de eucaliptos, para minimizar problemas com a emissão de odores.

"Na hora que caiu a telha, tinha ido buscar um dos meus filhos na creche", diz Cenir. (Foto: Marcos Maluf)
"Na hora que caiu a telha, tinha ido buscar um dos meus filhos na creche", diz Cenir. (Foto: Marcos Maluf)

Para os moradores, os eucaliptos preocupam, enquanto a construtora dos imóveis aponta que as árvores ajudam a “segurar” o vento, tendo o destelhamento ocorrido em pontos sem a vegetação.

“Ficamos com medo porque os eucaliptos estão muito perto das residências e quando venta, eles se torcem. Em novembro, caíram seis eucaliptos, mas do lado contrário dos barracos”, diz o líder comunitário Ronny Leão, 36 anos. No ano  passado, as casas ainda estavam em construção.

Sobre a tarde de ontem, ele conta que o vento chegou forte. “Não deu para fazer nada, só escutamos os estalos”.

O residencial com 98 imóveis foi executado pela empresa Predial Construções. Responsável técnico, o engenheiro civil João Watanabe negou problemas na obra.

O engenheiro civil João Watanabe negou problemas na obra, entregue há 4 meses. (Foto: Marcos Maluf)
O engenheiro civil João Watanabe negou problemas na obra, entregue há 4 meses. (Foto: Marcos Maluf)

“Calhou que o vento veio forte e os beirais de algumas casas quebraram. Ontem mesmo providenciamos telhas para que a chuva não molhasse as casas. A corrente de vento tirou os beirais onde não tem o eucalipto. Essa carreira de eucaliptos serve de proteção”. As telhas são de fibrocimento.

Equipes da prefeitura   foram ao local, também visitado pela prefeita Adriane Lopes (Patriota) na noite de quinta-feira.


Residencial tem paredão de eucaliptos, proteção contra odores do antigo lixão. (Foto: Marcos Maluf)
Residencial tem paredão de eucaliptos, proteção contra odores do antigo lixão. (Foto: Marcos Maluf)


Nos siga no Google Notícias