A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

02/05/2013 16:27

Prefeitura quer pagar R$ 659 mil pelo CNEC, avaliado em R$ 11,6 milhões

Aline dos Santos e Edivaldo Bitencourt
Justiça devolveu posse de terreno de escola à Prefeitura de Campo Grande. (Foto: Marcos Ermínio)Justiça devolveu posse de terreno de escola à Prefeitura de Campo Grande. (Foto: Marcos Ermínio)

A Prefeitura de Campo Grande pretende pagar R$ 659,3 mil pelo prédio da escola do CNEC (Escola Cenecista de Educação Pré-Escolar e Ensino Fundamental) Oliva Enciso. O valor foi informado na ação de reversão de posse, que tramita na 2ª Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos.

O total da indenização será definido no fim do processo, sendo descontada as benfeitorias feitas com dinheiro de doação ou recurso público. O valor é muito aquém ao negócio fechado pela direção da entidade nacional, que vendeu o prédio por R$ 11,6 milhões. A informação extra oficial, não confirmada, é que o negócio foi fechado com O Sesc (Serviço Social do Comércio).

O processo começou a tramitar em 11 de abril. Quatro dias depois, a Justiça deferiu a liminar para que a posse do terreno de 3,2 mil metros quadrados, localizado no cruzamento da avenida Afonso Pena com a rua 25 de Dezembro, retorne ao poder público.

“O terreno foi doado com finalidade específica, uma doação social, para prestar serviço educacional. A partir do momento que fecha a escola e se fala em venda, perde o interesse social”, afirma o procurador Valdeci Balbino da Silva.
A justificativa da Prefeitura foi aceita pelo judiciário.

De forma administrativa, o prefeito Alcides Bernal (PP) também requisitou a posse do imóvel por meio de decreto publicado em 12 de março.

Em funcionamento desde 1980 e com característica de atender crianças com necessidades especiais, a escola foi fechada na surdina no fim de 2012. Sem comunicação prévia, os pais foram surpreendidos pelo encerramento das atividades. O terreno foi doado pela Prefeitura, mas, com o fechamento do colégio, foi vendido por R$ 11 milhões. O comprador não foi divulgado. A Prefeitura ainda não informou que destinação será dada ao imóvel.



Interessante neh?
Coisas que só acontecem no Brasil. Talvez possa acontecer na Bolivia, na Venezuela, na Nicarágua, na Argentina, na Nigéria, no Afeganistão, no Congo, no Chade, etc, etc.
 
Paulo Botelho Pinto em 02/05/2013 18:01:16
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions