A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

09/02/2012 22:45

Psiquiatra defende tratamento compulsório de dependente químico

Viviane Oliveira

O caso de uma menina de 12 anos que furtava para comprar pasta-base expôs ainda mais o problema que, para o médico Marcos Estevão, exige tratamento precoce, obrigatório e com apoio familiar

Conforme o médico, para evitar a perda do raciocínio o tratamento deve ser precoce, compulsório e deve ter o apoio familiar. (Foto: Marlon Ganassin)Conforme o médico, para evitar a perda do raciocínio o tratamento deve ser precoce, compulsório e deve ter o apoio familiar. (Foto: Marlon Ganassin)

O caso da menina de 12 anos que furtou uma mercearia no bairro Lageado, em Campo Grande, para comprar pasta-base de cocaína, trouxe à tona uma discussão sobre o tratamento para usuários de drogas.

De acordo com psiquiatra Marcos Estevão do Santos Moura, experiente no tratamento de dependentes, para evitar a perda do raciocínio e outros efeitos devastadores da droga, o tratamento deve ser precoce, compulsório e deve ter o apoio familiar. Ele defende o tratamento compulsório, já utilizado em outros estados, como São Paulo e Rio de Janeiro.

“Aqui no Estado ainda não temos o tratamento compulsório, por isso é imprescindível o apoio familiar. Se não tiver alguém para conter o paciente em casa o tratamento deve ser em uma clínica”, disse.

Marcos Estevão explicou ainda que o organismo infantil está em formação e as drogas agem diretamente no cérebro, alterando toda a estrutura do desenvolvimento corporal.

“Na criança e no adolescente a droga é muito destrutiva porque o neurônio está em formação. No adulto a droga destrói a parte do raciocínio e na criança o que ela já adquiriu e não deixa desenvolver o que está se formando”, afirma.

No período da adolescência, qualquer interferência pode ser altamente prejudicial.

Mãe da garota e a irmã mais velha. (Foto: Marlon Ganassin)Mãe da garota e a irmã mais velha. (Foto: Marlon Ganassin)

Conforme o psiquiatra, a dependência química não tem cura e quanto mais tarde este paciente demorar a passar por tratamento mais fragilizado e dependente ele vai estar.

“Tem tratamento que é para a vida toda. O consumo prolongado da droga causa um comprometimento maior do estado físico do paciente”.

A dependência química cada vez mais cedo torna a criança e o adolescente mais vulnerável à depressão, ao homicídio e até mesmo a se tornar uma vítima da violência, explica.

Os próximos passos - A mãe da menina que virou notícia esta semana após ser flagrada tentado levar dinheiro de um mercado - que hoje completou 13 anos - disse que amanhã vai procurar o Conselho Tutelar para que a garota seja encaminhada a tratamento contra dependência química.

Na tarde de ontem (8) a adolescente e a mãe foram ouvidas pelo delegado Maércio Alves Barbosa, da Deaij (Delegacia Especializada em Atendimento a Criança e Juventude). Ele orientou a mãe a procurar o Conselho Tutelar e pedir novo encaminhamento para tratamento da filha. A menina já chegou a ser internada duas vezes.

A mãe está de licença na empresa onde trabalha. Ela passou esta quinta-feira com a filha. No final da tarde, foi à farmácia comprar um calmante para a menina que estava muito agitada e queria sair para a rua.

A garota, que parou de estudar na 4ª série, já apresenta o resultado da droga, como magreza, sonolência e raciocínio lento. “Hoje de manhã ela chorou bastante. Tenho fé em Deus que minha filha vai sarar desta doença”, disse a mãe.

Quando a equipe esteve na casa, a garota chegou a se esconder debaixo da cama.



A manutenção da droga, do tráfico e do crime na sociedade só acontece porque há o consumo. Se, houver investimento na prevenção primária, na escola, na estrutura familiar, haverá uma redução importante no consumo.
Que adianta traficante sem usuário? A razão da existência da indústria milionária das drogas, a base de tudo é o CONSUMO, feito por usuário, pelo dependente.
Mudança de foco - JÁ.
 
Sandro Trindade Benites em 10/02/2012 12:29:26
O principal objetivo deve ser pegar os traficantes. Nossas autoridades tem que pedir ajuda as forcas armadas, como foi feito no Rio de Janeiro, senao daqui a uns cinco anos nossa sociedade nao suportara mais. Ajudar e importante mas nao vai curar. Artistas, jogadores, etc ficam nas melhores clinicas e recaem. Acabar com os traficantes e prioritario. Pedir aos governantes acoes fortes e imediatas.
 
JOSE PEREIRA FILHO em 10/02/2012 12:03:51
Eu conheço um método que cura a dependência da Droga. Clinica da Alma, mantida pela Igreja Ministério Tabernáculo da Glória na rua da antiga rodoviária, onde o Nome de Jesus Cristo ja Libertou mais de cem jovens que hoje estão integrados na Sociedade trabalhando, mantendo suas familias e vivendo uma nova vida. O trabalho desta igreja é inédito pois não cobra mensalidade e não explora a fé.
 
Márcio Antonio em 10/02/2012 11:41:35
Esse psiquiatra precisa rever seus conceitos, o problema está em toda a sociedade, ele ratrata somente a questão da sáude, muitas familias não consegue sequer ter comida, existe muita desigualdade social, ai uns buscam refígio nessa porcaria. Outros fazem pior ainda, por que para eles não se tratra mais de humanização e sim de sobrevivência, ai qualquer ato se torna banal p/eles.
 
jose carlos em 10/02/2012 10:53:11
A menina Cheia de Vontades, não "tem de querer".Drogar-se é proibido e , como irresponsável civil e criminal atem de obedecer e pronto!A Segurança Pública se vira pra acabar COM AS DROGAS (pq NÃO pode acabar com o traficante, né? enquanto o pai/a mãe se vira pra fazer filho respeitar e obedecer, uai?num foi sempre assim?Se deixar a menina como ela quer, hã,o tráfico vai detonar com as crianças!Ai!
 
rose mara em 10/02/2012 10:15:45
Em Campo Grande não há clínicas preparadas para atendimento infanto juvenil, não há médicco para laudo que possa garantir a legalidade da internação involuntária... boa vontade sem lei não ´boa vontade, é ilegalidade. A adolescente já foi atrendida várias vezes nas reds municipais e ela mesma fugiu, NÃO QURE SE ATENDIDA.
 
Ana Paula em 10/02/2012 09:20:13
O mais intrigante é que ninguem ver um político apresentar e defender a extinção do traficante e da droga, ficam falando de tratamento; mas a manutenção do trafico parece que beneficia a política. è o que deixa a pensar.
 
luiz alves pereira em 10/02/2012 08:58:37
Dependendo do estágio do vício, esperar que o próprio dependente manifeste querer tratamento significa esperar piorar a situação, sou a favor do tratamento compulsório, pois considero ser uma doença que abrange a pessoa e a comunidade que com ela convive sem opção de escolha.
 
EDILSON PEREIRA DA SILVA em 10/02/2012 04:33:18
Parabéns ao doutor Marcos Estevão pelo posicionamento, concordo plenamente com esse tratamento compulsório, não tem outra forma, tem que ser assim! Vou colocar agora mesmo essa matéria muito bacana do Campo Grande News no meu Facebook, essas questões polêmicas devem ser discutidas com a sociedade. Quem está criticando o Doutor é porque não sabe o que a droga faz numa pessoa, na familia e sociedade
 
Sidnei Garcia em 10/02/2012 03:22:57
Em replica ao Sr. José Martins.
Ainda bem que tu reconheces que a grande culpa é da sociedade e desses politicos. Nós vivemos em uma economia capitalista e isso muda todo o conceito de humanidade, cada um pensa somente no seu, os outros que se virem nos 30, tem muito politico que se for ver a ficha dele - ta pior do que o Beira-mar, o Men esses caras que a propria sociedade tenta refutar + não con
 
Jose carlos em 10/02/2012 03:14:03
Para José Carlos:
Tudo ou é culpa da sociedade, ou dos políticos. Conheço milhares de pessoas que não tem o que comer e não usa drogas, nem pratica furtos. também conheço casos que os pais tiveram seis filhos, cinco muito bem encaminhados, trabalham e se sustentam e um optou pelo mundo das drogas. Os casos devem ser sim individualizados e o tratamento compulsório é a melhor saída.
 
jose martins em 10/02/2012 01:04:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions