A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

12/06/2013 11:51

Santa Casa cancela contratos de estacionamento e para auditoria

Paula Maciulevicius
Presidente da ABCG diz que redução de gastos com cancelamento de contratos e demissões serão sentidos em julho. (Foto: Cleber Gellio)Presidente da ABCG diz que redução de gastos com cancelamento de contratos e demissões serão sentidos em julho. (Foto: Cleber Gellio)

Há poucos dias de se completar um mês da volta da ABCG (Associação Beneficente de Campo Grande) na direção da Santa Casa, a entidade cancelou os contratos de estacionamento e auditoria e abriu o processo para que outras empresas também participassem.

O presidente da Associação, Wilson Teslenco, deixou claro nesta manhã que vão ocorrer demissões dentro de um critério de excesso de contingente ou de impossibilidade de adequação em outros setores. A diretoria acredita que tais medidas para redução de custo sejam sentidas já a partir de julho.

Desde que a ABCG retomou a Santa Casa, no dia 17 de maio, o trabalho tem sido de rever contratos, processos de compras e reavaliar os Recursos Humanos no Hospital. “Dentro do processo de compras estamos fazendo várias ações e revendo a necessidade de mão-de-obra”, descreveu Teslenco.

O contrato com a empresa de estacionamento Fama Park foi cancelado porque no entendimento da gestão do hospital era preciso rever a ampliação e participação de outras empresas no processo. “Ela continua aberta para participar, mas nós esperamos obter melhores resultados”, explicou o presidente da Associação.

Quanto ao contrato de auditoria, Teslenco disse que o valor foi renegociado e que o serviço será aberto também para participação de outras empresas.

Contrato de estacionamento foi cancelado sob argumento de rever ampliação e participação de outras empresas. (Foto: Cleber Gellio)Contrato de estacionamento foi cancelado sob argumento de rever ampliação e participação de outras empresas. (Foto: Cleber Gellio)

Próximo de se chegar a 30 dias no comando, a ABCG ainda considera a situação difícil diante dos pagamentos de tributos e ampliação de custeio, que ainda não aconteceram por parte do poder público.

Empréstimo - Quanto ao empréstimo de R$ 80 milhões para quitar as dívidas a curto prazo, a ABCG diz que tudo está tudo encaminhado tanto do aspecto de negociação, quanto à anuência da prefeitura.

Segundo o presidente, hoje nada está faltando no processo para o empréstimo. “Vai faltar a anuência, mas pelas conversas que tive com o Bernal, tudo indica que vai haver. Nós só precisamos agora encontrar parceria na responsabilidade deste empréstimo”. O empréstimo, conforme estimativa da ABCG deve sair entre 45 e 60 dias.

Teslenco disse que em um primeiro momento, a prefeitura sinalizou que pagaria metade dos tributos, mas que depois recuou. No entanto, a ABCG continua insistindo e quer ainda responsabilizar Estado e Município pelo pagamento do financiamento.

“Hoje a Santa Casa não tem como pagar esse financiamento. Em geral a por ter havido uma confusão na transferência da obrigação entre rede estadual e municipal, a Santa Casa faz sem a respectiva receita”, exemplificou.

A Santa Casa estava sob intervenção do poder público desde 13 de janeiro de 2005. Inicialmente, o processo foi administrativo, por meio de decretos da Prefeitura de Campo Grande. Em 2007, a intervenção passou a ser judicial. O pedido ao Poder Judiciário partiu do MPE (Ministério Público Estadual), MPF (Ministério Público Federal) e MPT (Ministério Público do Trabalho).



E SIMPLES E SO FAZER UMA DEVASSA NA CONTA E VIDA DOS ULTIMOS DIRETORES E VERA, QUE O PATRIMONIO DELES AUMENTARAM E MTO, DEPOIS QUE ASSUMIRAM A SANTA CASA, DAI E SO O MINISTERIO PUBLICO, ENTRAR NA PARADA E FAZER DEVOLVER E SE POSSIVEL POR ELES NA CADEIA.#FICAADICA#
 
carlos gomes em 12/06/2013 17:43:58
Eu não acredito em papai noel?
Tem gente que ganha dinheiro de entidade filantrópica quebrada. Acreditam?
 
Elviria Santos Ferreira em 12/06/2013 17:36:21
A Sociedade Beneficente de Campo Grande é uma instituição sem fins lucrativos? nesse caso recebeu o terreno como forma de doação do município?
se é sem fins lucrativos não é ilegal a exploração comercial dos estacionamentos, de forma que obrigue os usuários dos serviços de saúde a pagar pelo direito de estacionar o veículo em um local que foi inicialmente doado e projetado para esse fim? caso contrário não tem esse direito preservado, sendo obrigado a estacionar na rua.
Por favor, algum advogado pode esclarecer?
 
CELIA santos em 12/06/2013 14:01:08
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions