ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEXTA  14    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Sem acordo, negociação salarial de funcionários do HU será levada a tribunal

Após categoria recusar proposta, Ebserh ingressou com um pedido de mediação perante o TST

Por Mylena Fraiha | 02/05/2024 18:01
Faixa de greve é colocada na entrada do Hospital Universitário, na Capital (Foto: Marcos Maluf)
Faixa de greve é colocada na entrada do Hospital Universitário, na Capital (Foto: Marcos Maluf)

Sem chegar a um acordo imediato, a negociação salarial entre os servidores administrativos e profissionais da área técnica do Humap (Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian) e a Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares) será levada ao TST (Tribunal Superior do Trabalho).

Na manhã desta quinta-feira (2), os funcionários do Humap iniciaram uma greve para pressionar a Ebserh a melhorar a proposta salarial. Entretanto, o diálogo já vinha sendo articulado desde a última terça-feira (30).

Em nota enviada ao Campo Grande News, a Ebserh informa que, durante a última rodada na MNNP (Mesa Nacional de Negociação Permanente), ocorrida em 30 de abril, os representantes dos empregados rejeitaram as cláusulas sociais e econômicas propostas pela empresa e mantiveram o indicativo de greve.

Diante desse cenário, a Ebserh solicitou mediação e conciliação pré-processual perante o TST, requerendo que seja designada uma audiência com brevidade para dar continuidade à negociação entre a empresa e as entidades representativas dos trabalhadores.

Servidores montaram tenda no pátio e cobram avanço em negociação salarial com governo federal (Fotos: Marcos Maluf)
Servidores montaram tenda no pátio e cobram avanço em negociação salarial com governo federal (Fotos: Marcos Maluf)

A direção do Humap também assegura que seu atendimento permanece normalizado e que a superintendência, juntamente com as gerências, mantém diálogos com representantes do movimento grevista para evitar desassistência no hospital.

Conforme divulgado anteriormente, um grupo de cerca de 40 pessoas começou a mobilização em uma tenda montada no pátio do hospital, logo após a guarita de acesso. O grupo também estabeleceu uma escala de greve para manter alguns servidores no movimento e outros em serviço no hospital.

Para aumentar a visibilidade, eles planejam transferir a tenda do pátio para a calçada em frente ao HU. Esta manhã, a movimentação de pacientes e familiares ocorria normalmente em meio à mobilização dos funcionários do hospital.

Reivindicações da categoria - Os servidores administrativos e profissionais da área técnica do Humap demandam a melhoria da proposta de negociação apresentada pela Ebserh, que ficou em 2,15%, abaixo da inflação, que está em torno de 4% nos últimos 12 meses.

Além do aumento salarial, a categoria busca o aumento do tíquete alimentação, que subiria de R$ 14 para R$ 15 por dia. A Ebserh é a empresa federal que administra um grupo de 42 hospitais universitários, incluindo o ligado à UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), que também aderiu ao movimento.

“Serão mantidos 50% da área administrativa e 50% das áreas de enfermaria, onde os pacientes não correm risco de vida diretamente. Nos setores com risco de vida, como CTI, UTI e obstetrícia, o percentual de funcionamento será de 70%”, explica Wesley Cassio Goully, presidente do Sindserh-MS (Sindicato dos Trabalhadores de Empresas Públicas de Serviços Hospitalares no Mato Grosso do Sul), sobre a paralisação, respeitando os limites de impacto nos serviços.

Goully ressalta que o grupo poderá adotar outras medidas caso não haja avanço nas tratativas sobre as reivindicações. “Caso o governo não tome medidas para valorizar os trabalhadores da saúde, planejamos discutir com a administração local o fechamento de alguns leitos não prioritários e a paralisação de cirurgias não eletivas, mas isso só ocorrerá se não houver uma resposta do governo”, explicou.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias