ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 29º

Capital

TJ mantém júri popular para açougueiro que matou ex-mulher

Nadyenka Castro | 13/09/2011 12:49

Alzir da Silva Filho, 46 anos, tentava se livrar do julgamento do Conselho de Sentença. O recurso foi indeferido por unanimidade pela 2ª Turma Criminal

Rua onde aconteceu o crime. (Foto: Simão Nogueira)
Rua onde aconteceu o crime. (Foto: Simão Nogueira)

Por unanimidade, a 2ª Turma Criminal do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), manteve júri popular para Alzir da Silva Filho, 46 anos, que no ano passado matou a ex-mulher com 12 facadas, em Campo Grande.

A defesa do açougueiro impetrou recurso contra a sentença de pronúncia do juiz Aluízio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri. O MPE (Ministério Público Estadual) deu parecer contrário ao pedido e os desembargadores também votaram pela manutenção da pronúncia.

Com isso, Alzir será submetido a julgamento no Plenário do Tribunal do Júri, sendo sua condenação - ou não - decidida pelo Conselho de Sentença, que é integrado por sete pessoas - os jurados -, os quais representam o povo.

Acusação- O açougueiro responde à ação penal pelo assassinato de Gisele Aparecida da Cruz. Ele a matou por volta das 6 horas do dia 5 de abril do ano passado, em um ponto de ônibus do bairro São Conrado.

Ela seguia para o trabalho junto com a mãe porque acreditava que dessa forma estaria segura, pois já tinha recebido ameaças de morte do ex-marido que não aceitava o fim do relacionamento e tinha ciúmes dela.

O açougueiro respondeu ao inquérito e ao processo em liberdade, no entanto, em 9 de maio deste ano o juiz Aluízio Pereira dos Santos mandou o açougueiro a júri popular e também decretou a prisão dele, o qual foi à cadeia 10 dias depois.

Em julho Alzir teve habeas corpus concedido pelo Tribunal de Justiça e desde então está em liberdade.

Nos siga no Google Notícias