A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

24/11/2012 13:59

Trabalhador morre em explosão de tanque de combustíveis

Ele abria o recipiente com maçarico. Corpo foi parar a 15 metros do local

Nadyenka Castro e Elverson Cardozo
Trabalhador estava atrás dos caminhões, em um dos tanques e foi parar próximo à faixa de isolamento. (Foto: Simão Nogueira)Trabalhador estava atrás dos caminhões, em um dos tanques e foi parar próximo à faixa de isolamento. (Foto: Simão Nogueira)

O trabalhador José Oliveira da Silva, 60 anos, morreu em explosão de tanque de combustíveis no início da tarde deste sábado, em Campo Grande. O corpo dele ficou desfigurado e foi parar a 15 metros do local.

José Oliveira trabalhava há pelo menos três anos como soldador da Abatec Soluções Ambientais e morreu quando abria um tanque de 15 mil litros que seria recolhido. O acidente aconteceu no pátio do posto Platinão, na BR-163, saída para São Paulo.

A Abatec recolhe tanques não mais utilizados, faz a desgasificação, corta, limpa e derrete. O material então é vendido.
Para o recolhimento é preciso verificar se há gás no recipiente. Essa verificação é feita com o equipamento chamado explosimetro.

O explosimetro é uma mangueira pequena que é colocada no tanque por pequenos espaços. Se houver gás, o equipamento acusa e depois retira. Enquanto o gás não for totalmente retirado, a tampa – que fica nos fundos – não pode ser aberta. Caso isso aconteça, há risco de explosão

Quando não há mais gás no tanque, a tampa é aberta com maçarico e o recipiente levado. É preciso deixar aberto para não acumular mais gás.

A suspeita é que José Oliveira foi abrir o tanque sem verificar se havia gás no local. Quando ele ligou o maçarico, houve a explosão. Outros dois tanques tinham passado por avaliação e este último ainda não havia sido verificado.

A explosão foi tão forte que o trabalhador passou por trás do caminhão da empresa – que estava atrás do tanque – e foi parar debaixo de outro que transporta oxigênio e acetileno, a 15 metros do tanque que abria.

A morte foi instantânea. Vísceras do corpo ficaram espalhadas, assim como membros. O coração parou a cerca de 20 metros do local da explosão e o maçarico, a 10.

A bota que o trabalhador calçava e a roupa que vestia ficaram destruídas. Vidros de salas do posto de combustíveis e o para-brisa do caminhão ao lado quebraram e quem estava próximo sentiu a explosão.

José Hélio Tavares, 37 anos, estava dentro do caminhão dele, a 300 metros do acidente. “Vi a poeira levantando e depois os pedaços dele [da vítima]”.

Cássio José Correa, 42 anos, estava ainda mais próximo e disse que também foi arremessado com a explosão, mas, não ficou ferido.

A reportagem do Campo Grande News apurou que todos os funcionários da empresa recebem treinamento e sabem do risco da atividade. A Abatec recolhe tanques em diversos locais.

Tanques de combustíveis não mais utilizados. Ao lado, caminhão que faz a limpeza. Tanques de combustíveis não mais utilizados. Ao lado, caminhão que faz a limpeza.
Samu e Corpo de Bombeiros estiveram no local do acidente. Samu e Corpo de Bombeiros estiveram no local do acidente.


Deichamos que deus o julgue pois trabalhar não era seu defeito mas sim uma inigualavel qualidade
 
jose vieira pinho em 27/11/2012 16:56:38
Que deus comforte os familiares e amigos um homem bom e trabalhador sempre amigo de todos fica aqui meus sentimentos e de todos seus amigos.
 
waldeir santos em 26/11/2012 19:42:39
As informações contidas na reportagem, são insuficientes para um diagnóstico definitivo em função do gravíssimo acidente.
Más podemos fazer algumas observações. Pelas imagens do tanque e reportagem, não deveria jamais acender um maçarico próximo a tanques misturados inspecionados (já sem os riscos) e tanques a inspecionar/desgaseificar. Poderia haver uma "pluma" inflamável no local em função de outros tanques abertos e o ambiente e no momento de ecender o maçarico ela (pluma) inflamou-se e conduziu a chama a esse tanque ainda sem a "desgaseificação" "aberto", e ocorrendo a explosão.

José Augusto Monteiro - Eng. de Seg. do Trab.
 
José Augusto Monteiro - Eng. de Seg. do Trab. em 26/11/2012 09:06:25
A engenharia de segurança do trabalho foi feita para preservar vidas. Se a empresa possuia ou não engº de segurança é uma questão para o MPT envestigar. A minha condolecencias para a familia neste momento de dor.
 
Maria Antonia dos Santos em 25/11/2012 12:03:03
Sera que a empresa tinha engº de segurança do trabalho. Com a palavra o MPT.
 
Carlos Rodrigues da Silva em 25/11/2012 11:48:55
eu estava em uma chacara nos fundos da colonia de ferias,onde ouvimos uma forte explosao,ate entao nao sabiamos o que era,somente agora lendo essa reportagem me dei conta,meus sentimentos a familia.
 
eliane soares em 24/11/2012 21:18:59
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions