A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

28/02/2012 21:05

Justiça garante procedimento a jovem que sofre de síndrome rara

Jeozadaque Garcia

Garoto conseguiu na Justiça o direito de realizar a cirurgia com especialistas no Paraná

“Uma hora ele não ia mais andar”. A frase é da funcionária pública Vanessa Vieira, mãe de um adolescente de 17 anos que conseguiu, na Justiça, uma cirurgia para corrigir um grave problema na coluna. O pedido foi feito pela Defensoria Pública.

O jovem foi diagnosticado aos quatro anos com doença de Déjerine-Sottas. Ali, começou uma escoliose neuropática que só teve fim no mês de janeiro, quando foi levado para Curitiba (PR), onde passou por intervenção cirúrgica.

Foram vários anos convivendo com o problema, fazendo fisioterapia e uso de coletes. A escoliose, no entanto, se agravou a partir dos 13 anos. Foi quando Vanessa decidiu procurar um médico na capital paranaense.

“Nós fomos para o Paraná, onde consultei com o médico que falou da cirurgia. Voltei para pegar autorização com a Cassems [Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul], mas eles falaram que o procedimento deveria ser realizado por aqui”, conta.

Como o médico credenciado pelo plano iria utilizar osso sintético - que, no caso do adolescente, não teria a mesma eficiência -, e Mato Grosso do Sul não tem banco de ossos, Vanessa decidiu entrar na Justiça.

“A Cassems até sugeriu comprar o osso para fazer o enxerto, mas Mato Grosso do Sul não tem rede credenciada, preferimos fazer a cirurgia fora”, relata.

Mãe mostra imagem da coluna do rapaz; intervenção cirúrgica foi realizada com sucesso no dia 13 de janeiro. (Foto: João Garrigó)Mãe mostra imagem da coluna do rapaz; intervenção cirúrgica foi realizada com sucesso no dia 13 de janeiro. (Foto: João Garrigó)

A liminar saiu em setembro e, por incompatibilidade nas agendas, a cirurgia foi feita com sucesso no dia 13 de janeiro.

Dificuldades - Segundo os médicos, a curvatura da coluna comprimia alguns órgãos. O jovem, apesar de não ter limitações, sentia dificuldades para respirar e, principalmente, para se relacionar com os colegas.

“O pulmão era pressionado, ele sentia muita dor também. Isso prejudicava não só no aspecto físico, mas no emocional também. Uma hora ele não ia mais andar”, conta Vanessa, que tinha um gasto estimado em R$ 1 mil por mês com remédios e fisioterapia.

O garoto está em período de recuperação e ainda não está liberado para as sessões de fisioterapia. A família volta a cada dois meses para Curitiba para fazer o acompanhamento e outros exames.

Prestes a completar 18 anos, ele estuda direito em uma universidade particular de Campo Grande, mas ainda não começou a frequentar as aulas por conta da cirurgia.

“Esteticamente ele melhorou muito, e a respiração também. Agora ele está em uma fase de transição. O corpo dele está se adaptando com isso. É tudo um grande aprendizado e só depende dele”, finaliza.

Prefeitura e TJ prorrogam renegociação de dívidas ajuizadas até 3ª
O programa de refinanciamento de dívidas da Prefeitura de Campo Grande foi prorrogado até o dia 19 de dezembro, a próxima terça-feira, no Centro de C...
Homem tem corpo queimado em acidente doméstico e morre na Santa Casa
Após dois dias internado, José Loureiro da Cruz, 49 anos, morreu por volta das 6h30 desta sexta-feira (15) na Santa Casa em decorrência de acidente d...


Só lendo a matéria , pude ter noção da síndrome do filho e da luta da mãe, parabenizo a defensoria pública e a mãe por não ter desistido . E aberto precedente para outros pais ... Parabéns mãe por sua luta ...
 
Flávia Alynne em 02/03/2012 02:28:48
Eu não entendo O BRASIL onde os politicos afirmam que esta tudo em ordem. Onde vai ser realizado copa do mundo e olimpiadas ainda dizem que somos a oitava economia mundial. Uma mãe ter que entrar na justiça par conceguir uma cirurgia para o filho .onde ja se viu saude é um direito de todos ..QUANDO ISSO VAI MUDAR ? QUANDO?
 
wilson araujo fonseca em 29/02/2012 12:54:31
Para uma mãe, saúde e bem estar do filho, não tem preço, não se mede esforços! Que Deus continue abençoando vcs!
 
Juçara Rosa de Oliveira em 29/02/2012 08:55:08
Que bom para o jovem, que poderá levar uma vida normal de agora em diante. Parabéns para a mãe que não desistiu... tentou e conseguiu. Parabéns para nossa Justiça que fez o que é certo. Uma vida não tem preço, e tudo o que se faz para mantê-la e mantê-la bem, é certo! Bom fia!!!
 
Simone Marchewicz em 29/02/2012 07:11:02
São Paulo,28 de Fevereiro de 2012

Eu lendo amateria não tenho outro comentário a não ser tirar meu chapéu para essa mãe que nunca perdeu a esperança de ver seu filho normal,mãe é sempre mãe o resto é comversa fiada,parabéns mãe,faço voto de melhora para seu filho,e que ele comsiga realizar todos seus sonhos, que Deus esteja com vcs hoje e sempre.
 
andre dias em 28/02/2012 09:58:55
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions