ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Unidades de saúde da Capital têm aumento de pacientes com sintomas de dengue

Segundo dados da Sesau, 10 regiões da Capital têm alto risco da arbovirose

Por Guilherme Correia e Cleber Gellio | 20/04/2022 13:00
Unidades de saúde na Capital têm recebido pacientes com sintomas suspeitos de dengue. (Foto: Marcos Maluf)
Unidades de saúde na Capital têm recebido pacientes com sintomas suspeitos de dengue. (Foto: Marcos Maluf)

O estudante Hélio de Lima Miranda Junior, de 22 anos, começou a sentir alguns sintomas ontem, por volta das 22h, e suspeita de que esteja com dengue. Nesta quarta-feira (20), aguardava atendimento desde cedo em uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) na Capital, embaixo de uma coberta para se proteger dos calafrios.

O morador do Jardim Parati relata que sentiu febre, vômito, dor de cabeça, corpo e diarreia, e espera que consiga consulta no posto do Bairro Aero Rancho, o mais perto de sua casa, o quanto antes. "Só quero que me mediquem para passar as dores.”

A pouco mais de quatro quilômetros dali, o vigia Luis Felipe Duarte, de 25 anos, narra que os primeiros sinais suspeitos da mesma doença vieram no domingo (17), tais como dor de cabeça e febre.

Ele aguardou até hoje para ver se melhorava, mas como não passou, buscou ser atendido. Morador do Bairro Amambaí, ele foi até a UPA do Leblon para ser examinado.

Com cobertor, o estudante Hélio de Lima esperava atendimento hoje na UBS do Aero Rancho. (Foto: Marcos Maluf)
Com cobertor, o estudante Hélio de Lima esperava atendimento hoje na UBS do Aero Rancho. (Foto: Marcos Maluf)

O local em questão é o que tem maior número de atendimentos em Campo Grande. São cerca de 14 mil por mês e, em janeiro, chegou a receber mais de 24 mil pacientes devido ao aumento de indivíduos com sintomas respiratórios, naquele momento, de acordo com a gerência da unidade.

Ainda assim, conforme dados da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), o local em pior situação de perigo com a dengue, arbovirose transmitida por meio do mosquito Aedes aegypti, é a região da UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) no Residencial Vida Nova.

Segundo a pasta, o IB (Índice de Breteau) desta unidade é de 13%, a maior dentre todas as unidades de saúde vinculadas ao SUS (Sistema Único de Saúde). Esta métrica é feita em uma amostra probabilística dos imóveis existentes na área urbana e serve para indicar o perigo de infecção.

Na sequência, vem a UBS São Francisco (12%), a do Aero Rancho (6,4%), do Jardim Autonomista (6,2%) e a UBSF José Abrão (6,2%). Veja a lista completa, com última atualização feita em março, pela Sesau:

Ao todo, o LIRAa (Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti) colocou 10 bairros de Campo Grande em risco de infestação do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya.

Estado - Conforme a SES (Secretaria Estadual de Saúde), a parcial de casos prováveis de dengue neste ano - que não são mensurados apenas com testes, mas também com consultas de médicos - já supera a de anos como 2014, 2017 ou 2018.

Ou seja, faltando quase sete meses para o fim de 2022, já existem mais notificações que em outros anos.

Entre os municípios, o que possui maior incidência - ou seja, maior número de notificações na comparação com o total de habitantes - é São Gabriel do Oeste, a 137 quilômetros de Campo Grande, com cerca de 3,2 mil casos a cada 100 mil habitantes. Em seguida, aparecem Aparecida do Taboado (mil casos), Amambai (949), Ribas do Rio Pardo (853) e Inocência (843).

Segundo a Sesau, os casos notificados de dengue têm se mantido estáveis na Capital, já que os índices são os menores registrados nos últimos cinco anos. A superintendente de Vigilância em Saúde, Veruska Lahdo, declarou que a população tem de manter cuidados preventivos para reduzir a chance de proliferação da arbovirose.

Os ovos do Aedes aegypti podem permanecer na natureza por um longo período esperando somente a oportunidade para eclodir e iniciar o ciclo de crescimento. Por isso, é importante que todo mundo faça a sua parte. Orientamos a população para que evite acumular qualquer tipo de resíduo que possa se tornar potencial criadouro do mosquito e faça uma vistoria no quintal de maneira periódica.”

Conforme a pasta municipal, de janeiro a março deste ano, foram contabilizados 1.369 casos notificados de dengue em Campo Grande. No mesmo período, em 2021, foram notificados 1.772. Apesar de certa “estabilidade” nas notificações, segundo a Sesau, o município já registrou, pelo menos, dois óbitos provocados pela doença.

Em território sul-mato-grossense, aponta a SES, outra morte foi registrada - a de uma paciente em Aparecida do Taboado.

“É uma doença que sempre nos preocupou e que exige a atenção devida, pois alguns casos evoluem com maior gravidade e também acaba sobrecarregando o sistema de saúde”, afirma Lahdo.

Parcial de casos de dengue no Estado supera a de outros anos, mas segue em estabilidade. (Foto: Marcos Maluf)
Parcial de casos de dengue no Estado supera a de outros anos, mas segue em estabilidade. (Foto: Marcos Maluf)

De acordo com a pasta estadual, um caso suspeito de dengue pode apresentar sintomas como dor abdominal intensa, vômitos, acumulação de líquidos, sangramento de mucosas, letargia ou irritabilidade, hipotensão postural, hepatomegalia, dentre outros.

Os sinais podem se agravar e incluir sangramentos graves e até comprometimento de órgãos. Vale ressaltar que o tratamento inclui, sobretudo, hidratação adequada e reconhecimento precoce de sintomas.

Para evitar a proliferação do mosquito que é vetor da doença, recomenda-se manter recipientes fechados e limpos, evitar acúmulo de galhos e água parada, tampar ralos, colocar areia em cacos de vidro de muros ou semelhantes, além de manter limpas bandejas do ar-condicionado e lonas.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade
Pacientes aguardam atendimento na UBS do Aero Rancho, em Campo Grande. (Foto: Marcos Maluf)
Pacientes aguardam atendimento na UBS do Aero Rancho, em Campo Grande. (Foto: Marcos Maluf)
Nos siga no Google Notícias