ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Unidades de saúde irão fornecer novo medicamento para esclerose múltipla

Tratamento do SUS estará disponível para rede credenciada em todo o país num prazo de 180 dias.

Anahi Gurgel | 31/05/2017 17:40
Prateleira com remédios na Farmácia Central de Campo Grande. Unidades de saúde fornecerão novo medicamento para esclerose múltipla dentro de 6 meses. (Foto: Marcos Ermínio)
Prateleira com remédios na Farmácia Central de Campo Grande. Unidades de saúde fornecerão novo medicamento para esclerose múltipla dentro de 6 meses. (Foto: Marcos Ermínio)

Dentro de 6 meses, as unidades de saúde de Campo Grande passarão a fornecer uma nova opção de tratamento para pacientes diagnosticados com esclerose múltipla. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (31) pelo Ministério da Saúde, que incorporou na relação de medicamentos o teriflunomida, que pode reduzir surtos e a progressão da doença.

O medicamento é o primeiro a ser fornecido pelo SUS (Sistema Único de Saúde) da primeira linha de cuidado, por via oral, e deve atender cerca de 12 mil pacientes em tratamento na rede pública, além dos novos casos.

A notícia foi muito bem-vinda neste 31 de maio – Dia Mundial da Esclerose Múltipla - uma iniciativa criada pela Federação Internacional de Esclerose Múltipla para aumentar a conscientização em relação aos mais de 2,3 milhões de pessoas que convivem com a doença.

A esclerose múltipla é uma doença autoimune que acomete o sistema nervoso central, causando desmielinização e inflamação, principalmente entre adultos de 18 a 55 anos. No Brasil, a taxa de prevalência é de 15 casos por cada 100 mil habitantes.

Tratamento - Atualmente, o SUS oferece seis medicamentos para o tratamento da doença: betainterferona, fingolimode, glatiramer, natalizumabe, azatioprina e metilprednisolona.

Ao todo, 277 hospitais estão habilitados como Unidade de Assistência ou Centro de Referência de Alta Complexidade em Neurologia/Neurocirurgia, no Brasil.

Nos siga no Google Notícias