ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 11º

Capital

Vacina chegou para Ramona no dia em que sobrinha grávida foi sepultada com bebê

Na fila da vacinação, são muitas histórias de pessoas que perderam parentes e agora ganham chance contra covid

Por Ângela Kempfer e Bruna Marques | 31/03/2021 10:28
Ramona dos Santos Ferreira foi uma das vacinadas hoje no Guanandizão. (Foto: Henrique Kawaminami)
Ramona dos Santos Ferreira foi uma das vacinadas hoje no Guanandizão. (Foto: Henrique Kawaminami)

O momento da vacinação deveria ser só felicidade, mas não tem como. Quem chega à fila da imunização sabe que é privilegiado e, em alguns casos, sentiu forte os efeitos da covid-19, mesmo sem nunca ter sido contaminado.

Para Ramona dos Santos Ferreira, a hora da vacina chegou junto com péssimas notícias. Hoje, a sobrinha-neta que estava grávida é sepultada em Dourados, junto com o bebê. Vítima da covid, ela foi intubada e, aos 6 meses de gestação, morreu. "Os médicos tentaram, mas também não conseguiram salvar o bebê", lembra.

Aos 65 anos, a aposentada saiu hoje pela manhã do Bairro Pioneiros e foi até o posto de vacinação do Guanandizão levando junto a dor pelo drama familiar. "Como minha sobrinha e o filho dela, são tantas pessoas que não conseguiram sobreviver, que não tiveram tempo para a vacina...", lamentou.

Olídia olha a profissionl preparando a vacina antes da aplicação. (Foto: Henrique Kawaminami)
Olídia olha a profissionl preparando a vacina antes da aplicação. (Foto: Henrique Kawaminami)

Na história da pecuarista Olídia Maria Lima da Silva, também de 65 anos, a doença levou a tia no ano passado, morta em 16 de julho pelo coronavírus.  "Ela ficou internada e não resistiu. A esposa do meu primo pegou a doença, ficou internada e está bem", conta.

Nesta quarta-feira, a ansiedade a fez acordar por volta das 4h. Moradora da Via Carlota, ela esperou a manhã avançar para seguir até a tão esperada imunização, para não enfrentar fila, pensando em quem foi embora, mas também em quem tem muita vida pela frente.

“Depois de tudo que passamos e das perdas que tivemos, acredito que a vida não voltará ao normal. mas a vacina é a esperança que o mundo se torne melhor, com pessoas mais humanas e que meus netos, de 3 e 1 aninho, tenham um mundo melhor quando crescerem", diz.

José recebeu a 1º dose da vacina também nesta quarta-feira. (Foto: Henrique Kawaminami)
José recebeu a 1º dose da vacina também nesta quarta-feira. (Foto: Henrique Kawaminami)

Na mesma leva de vacinados, outro de 65 anos que nesta quarta recomeça a retomar a vida graças à vacinação é José Dino Pereira, 65 anos. Aposentado, conseguiu escapar do coronavírus até agora. “Graças a Deus”, comemora.

Mas José também não consegue esquecer de tantos que já partiram. "É muito triste vê tenta gente morrendo. Tantas famílias que perderam quase todo mundo e o povo é muito teimoso. Vê todos os dias reportagem para não aglomerar e aglomera".

Ele não via a hora de chegar a vez na fila. Se cadastrei tem duas semanas, com ajuda da filha do vizinho. Agora é esperar a 2ª dose para ficar mais tranquilo. "Eu e minha esposa criamos nossos dois netinhos de 3 e 4 anos. Temos de esta com saúde pra criar eles. Ela tem 62 anos ainda não chegou a vez dela, mas quando chegar ela vai tomar", avisa.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário