ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 27º

Capital

Vereador pode ser indiciado de forma indireta se não prestar depoimento

Alan Diógenes e Lidiane Kober | 23/04/2015 14:30
Vereador está sendo investigado por exploração sexual de menores. (Foto: Arquivo)
Vereador está sendo investigado por exploração sexual de menores. (Foto: Arquivo)

O delegado Paulo Sérgio Laureto da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), disse no começo da tarde desta quinta-feira (23) que se o vereador Alceu Bueno (PSL) não comparecer para prestar depoimento, pode ser indiciado indiretamente. Ele é investigado por participar de um um suposto esquema de exploração sexual de adolescentes.

Conforme o delegado, o vereador deveria ter prestado depoimento hoje pela manhã, mas alegou estar em tratamento médico por isso desmarcou a oitiva. “Já avisei os advogados dele que hoje não dá mais tempo dele depor. Marcamos o depoimento para amanhã cedo, se ele não comparecer podemos concluir o inquérito e fazer o indiciamento indireto”, explicou.

O advogado de Fabiano Viana Otero apontado como o agenciador das meninas de 15 anos dentro do esquema, afirmou que ele pedirá delação premiada condicionada à revogação da prisão. Fabiano prestou novo depoimento na manhã de hoje.

Questionado a respeito deste fato, o delegado declarou: “Veremos se é possível ou não ele pedir a delação premiada, para mim está parecendo o caso do Mensalão já”, brincou Laureto.

Fabiano é acusado de ser um dos mentores do esquema, prometendo muito dinheiro, ele atraia as adolescentes e as orientava a gravar as relações sexuais com os políticos, para futuras extorsões.

Conforme a Polícia Civil, ele gravou vídeos com adolescentes e o vereador Alceu Bueno (PSL). Outro identificado pelas imagens seria o ex-deputado estadual Sérgio Assis (PSB). Os dois negam qualquer relação com o esquema.

O delegado já marcou uma coletiva de imprensa que ocorre às 15h30 para prestar mais esclarecimentos sobre o caso.

Nos siga no Google Notícias