A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

21/04/2012 09:50

CGU aponta irregularidades em obras milionárias da Delta em rodovias de MS

Aline dos Santos

A empresa é suspeita de irrigar o esquema de jogo ilegal liderado por Carlinhos Cachoeira

Foram encontrados problemas em três contratos, incluindo manutenção na BR-163. (Foto: João Garrigó)Foram encontrados problemas em três contratos, incluindo manutenção na BR-163. (Foto: João Garrigó)

Fiscalizações da CGU (Controladoria Geral da União) apontam uma série de irregularidades em obras de R$13,8 milhões realizadas pela Delta Construções S/A em rodovias federais de Mato Grosso do Sul. A empresa é suspeita de irrigar o esquema de jogo ilegal liderado por Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. O levantamento nos contratos com o Dnit foi realizado entre 2007 e 2010.

No Estado, três contratos caíram na “malha fina” da Controladoria. O de maior valor foi firmado para manutenção de 126 quilômetros na BR-163. No contrato de R$ 9,5 milhões, a CGU encontrou três irregularidades: ponte com guarda-corpo danificado, pista de rolamento em condições inadequadas e preenchimento incompleto do Diário de Obras.

Já no contrato para conservação entre os quilômetros 556 e 601 da BR-262, o órgão considerou a fiscalização insatisfatória, pois o “preposto responsável por informar o andamento da obra para o engenheiro fiscal do Dnit mantém vínculo empregatício com a empresa executora”. O valor da obra de R$ 896 mil.

Também foi apontado irregularidade no contrato de conservação da BR-267, cujo valor foi de R$ 3,5 milhões. A CGU considerou que os serviços de conservação são insuficientes para manter o trecho contratado num nível satisfatório de trafegabilidade e segurança, sendo identificados diversos pontos com a incidência de defeito. Além de classificar a fiscalização realizada pelo Dnit como insatisfatória.

Os contratos entre 2007 e 2010 foram executados na gestão de Marcelo Miranda, que foi demitido em janeiro do comando da Superintendência do Dnit de Mato Grosso do Sul após denúncias de irregularidades. Desde então, o órgão federal é administrado de forma interina por Antônio Carlos Nogueira

Vencedora – Em março deste ano, em meio à suspensão dos editais de licitação no Dnit de Mato Grosso do Sul, a Delta venceu o certame para recuperação de 108,3 km da BR-163. A empreiteira apresentou a terceira melhor proposta, no valor de R$ 30,9 milhões, mas as outras duas empresas foram desclassificadas por não atenderem critérios do edital.

A licitação, na modalidade menor preço, tinha o valor máximo de R$ 35 milhões. A CCM - Construtora Centro Minas Ltda, que apresentou o menor valor (R$ 27 milhões), recorreu de forma administrativa, mas teve o recurso negado na semana passada.

Cachoeira – Conforme reportagem da Folha de São Paulo, nos relatórios de inteligência da Operação Monte Carlo, realizada pela PF (Polícia Federal), há indícios "de que a maior parte dos valores que 'entram' nas contas de empresas fantasmas [ligadas ao grupo do empresário] é oriunda da empresa Delta".

De acordo com as investigações, foi possível confirmar sociedade "secreta" entre Cachoeira e Claudio Abreu, então diretor regional do Centro Oeste da empreiteira, afastado depois de ser denunciado pelo Ministério Público Federal. Ninguém mais da Delta foi denunciado. Cachoeira está preso desde 29 de fevereiro.

Histórico – Em Mato Grosso do Sul, além de Marcelo Miranda, que é ex-governador do Estado, foram demitidos o Chefe do Serviço de Engenharia, Guilherme Alcântara de Carvalho, e Carlos Roberto Milhorim, chefe do Dnit em Dourados.

Marcelo e Guilherme foram punidos por desrespeito a dois artigos da lei sobre deveres dos servidores públicos federais: observar as normas legais e regulamentares; e levar ao conhecimento da autoridade superior as irregularidades de que tiver ciência em razão do cargo. Miranda nega as acusações.

Carlos Roberto Milhorim foi enquadrado nos artigos de: valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de outrem, em detrimento da dignidade da função pública; improbidade administrativa, lesão aos cofres públicos e dilapidação do patrimônio nacional, e corrupção. O processo teve início em 2006, após operação da PF (Polícia Federal).

Empresa ligada a Carlinhos Cachoeira tem contrato milionário em MS
Sob suspeita de irrigar o esquema de jogo ilegal liderado por Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, a empreiteira Delta Construções S/A tem co...
Em meio a impasse, Dnit prossegue com licitação de R$ 35 milhões
Hoje, foi publicada a habilitação de 16 empresas das 19 concorrentesAdministrado de forma interina e com licitações de quase R$ 1 bilhão suspensas, ...


Engraçado, porque os Ógãos Estaduais de Fiscalização do dinheiro público nunca encontram irregularidades deste tipo? Estranho né??
 
Paulo da Silva em 22/04/2012 06:22:05
todo mundo sabe da qualidade de gestao do ex governo marcelo miranda,entao ai tem gato na indicaçao do mesmo ou acham que so ele ta levando,neste mundo politico tem coisas que ate Deus duvida,mas Ele sabe e no final daras Seu veredito isso me conforta.
 
jorge pereira de oliveira em 21/04/2012 12:08:22
o engraçado q descobre só depois q o rombo ja foi feito...e o asfalto muito MAL feito...
 
graciete adolfo em 21/04/2012 11:15:44
na minha opiniao a policia federal tem que fazer uma varredura nessa delta que ai voces vao ver o tanto de peixe grande que vai aparecer isso e uma tremenda empressa de lavagem de dinheiro a br 364 de vilhena ao acre foi ela que recuperou no ano de 2009a 2010 vao conferir que coisa linda ela esta ,eu acho que ate o lula tem parte nesta empresa safada
 
gilberto ferreira de lima em 21/04/2012 11:00:51
Isso é o que a AGU descobriu e as demais Deltas que existem país afora, a corrupção tem sido um câncer terrível em nosso país. De norte a sul de leste a oeste, se ouve falar nisso que envolvem de empresas a governantes estaduais, municipais e até federais. Dinheiro do povo mau gerido que poderia ser utilizado na saúde , segurança e educação. Isto é uma vergonha, de acordo Bóris Casóy.
 
João Alves de Souza em 21/04/2012 07:27:34
porque não falam quem são os DONOS deste empresa DELTA, com certeza os verdadeiros donos são os governantes chefes da nação lá em BRASILIA.
 
Luiz Carlos da Silva em 21/04/2012 05:51:41
Eles venceram o jogo. É tanta corrupção, que nem o FBI daria conta de investigar. O pior de tudo isso, é que em dado momento alguém se indigna, mete os pés pelas mãos, e começa a fazer como grupos terroristas.
 
valter antunes em 21/04/2012 05:17:42
e jorge pereire de oliveira que bom que voce nao esqueçeu que o marcelo miranda desfauco a aguas sw nao me engano 400 m marcelo e corrupito to com tigo
 
vanderlei marques em 21/04/2012 04:58:17
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions