A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

08/11/2013 16:44

Com 25 casos de agressões e mortes, MS discute proteção de jornalistas

Bruno Chaves
Tema foi debatido após crescimento de agressões nos últimos meses (Foto: Bruno Chaves)Tema foi debatido após crescimento de agressões nos últimos meses (Foto: Bruno Chaves)

Nos últimos cinco anos, 25 casos de agressões e mortes a profissionais da imprensa foram registrados em Mato Grosso do Sul, de acordo com o presidente do Sindicato de Jornalistas do Estado, Ricardo Ortiz. Para debater os mecanismos de segurança de profissionais de comunicação, a Assembleia Legislativa realizou, nesta sexta-feira (8), a audiência pública “Direitos Humanos e a proteção dos profissionais da comunicação”.

Este foi o terceiro encontro nacional que discutiu o tema. A primeira audiência ocorreu em São Paulo (SP) e a segunda no Rio de Janeiro (RJ).

A falta de segurança é um problema de nível nacional, afirmou o deputado Maurício Picarelli (PMDB), que também atua como jornalista e radialista há décadas. Para ele, vários profissionais de comunicação do Estado sofrem abalos, principalmente em municípios da fronteira.

“Por isso, vamos elaborar um documento com os assuntos debatidos aqui que será encaminhado a autoridades federais com o intuito de discutir medidas protetivas. Um profissional em exercício de sua atividade jamais pode ser ameaçado de morte”, avalia.

Zona de guerra – De acordo com um dos diretores da Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas), José Carlos Torves, a violência contra jornalistas no Brasil cresceu nos últimos anos, especialmente com as manifestações que tomaram o País nos últimos meses.

“Os números cresceram tanto que o Brasil está no mesmo patamar que países como Paquistão e Afeganistão, onde existem zonas de guerra”, conta. Só em 2013, até o mês de outubro, cinco jornalistas perderam a vida no País. De junho para cá, 105 casos de agressões a profissionais da imprensa foram registrados.

Para Torves, fatores como a falta de conhecimento da sociedade civil e o despreparo das polícias militares contribuem para o aumento de casos de agressões aos profissionais de imprensa em exercício. “O Brasil precisa adotar o protocolo das Nações Unidas em relação a segurança desses profissionais”.

Crime federal – Para minimizar os casos de agressões e terminar com a impunidade de crimes contra comunicadores, um projeto de lei, que tramita na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), pede para que crimes cometidos contra jornalistas, radialistas e outros, sejam apurados pela Polícia Federal.

De acordo com conselheiro da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, Tarciso Dal Maso, um grupo de trabalho que mapeia e estuda os casos de agressões contra os profissionais de imprensa foi formado em 2012. O grupo é associado a ONU e a Unesco e pretende montar uma estrutura de proteção. “É um planejamento de políticas públicas”, define.

Mortes em MS – Pelo menos três profissionais de comunicação perderam a vida em Mato Grosso do Sul no último ano.

O jornalista Paulo Rocaro perdeu a vida depois de ser alvejado a tiros em Ponta Porã, no dia 12 de fevereiro de 2012. Já no dia 4 de outubro, Luiz Henrique Rodrigues Georges, dono do Jornal da Praça, foi morto a tiros de fuzil. Em novembro, foi a vez de Eduardo Carvalho, dono do site UH News, ser atacado. Ele foi morto a tiros no dia 22 de novembro.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...


Cade o pessoal dos direitos humanos, aqueles que protegem os bandidos? Eles nao protegem os jornalistas?
 
Jose Goncalves Ferreira em 08/11/2013 21:51:30
O Sr José C. Toves atribui a morte de jornalistas ao mal serviço da polícia, ele só esqueceu de um detalhe. Jornalistas não podem ser perseguidos no exercício de suas funções, mais policiais também não. além do que a metade dos jornalistas morto no MS são suspeito de fazerem uso da profissão para extorquir alguém, policiais criticados entregam na mão de DEUS para interceder por eles, as demais categoria não sei se pensam assim, as vezes matam.
 
jorge ferreira em 08/11/2013 20:16:05
Infelizmente para nós todos: audiência pública no Brasil, independente da esfera de Poder = perda de tempo...
 
Silvio Henrique Lemos em 08/11/2013 17:26:27
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions