A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

01/09/2010 14:49

Dudu é enterrado e pai fará projeto social em seu nome

Redação

Após 980 dias de angústia, como definiram os amigos da família, o menino Luiz Eduardo Martins Gonçalves, brutalmente assassinado em dezembro de 2007, foi enterrado às 14h30 de hoje no cemitério Memorial Park, em Campo Grande. Depois de sepultar o filho, Roberto Gonçalves anunciou seu projeto de desenvolver um projeto social em nome do garoto.

"Depois do que aconteceu eu prometi para o Dudu que faria isso", diz. Questionado se irá morar no mesmo bairro onde ocorreu o crime, ele revela que pretende reformar e adaptar a casa para transformá-la em uma creche que irá atender às crianças do bairro.

A intenção de Roberto é que os pequenos recebam alimentos e reforço no ensino a fim de serem "preparados para um futuro melhor". Segundo ele, a implementação do projeto irá depender dos recursos financeiros, que ele ainda não detalha como serão angariados.

Durante o sepultamento, feito ao som de violino, ele se emocionou ao lado da mãe de Dudu, Eliane Aparecida Martins. "Agora ele vai poder descansar em paz e a família vai ter um pouco de sossego", afirma.

Eliane estava muito abalada e deixou a tenda montada para o sepultamento enquanto o pai de Dudu ainda concedia entrevistas.

Após o enterro, Roberto agradeceu a Deus e ao trabalho feito pela imprensa no caso. "Se não fosse pelo trabalho de vocês nada teria sido solucionado", acredita. Ele lembra que foram muitos os apelos da família, que fez cartazes e passeata, para que o caso 'não caísse no esquecimento'.

Apoio - Cerca de 40 pessoas estiveram presentes no enterro de Dudu, incluindo pelo menos dez crianças e adolescentes. "A vila toda ficou abalada com a morte dessa criança", disse aos prantos a dona-de-casa Maria Lúcia Alves do Nascimento, de 51 anos, que conhecia Dudu desde pequeno.

Também aos prantos estavam os amigos dele. Ao ser questionada se o enterro amenizava o sofrimento, a estudante Simone de Paula, de 15 anos, de pronto respondeu que não. "Porque ele está morto", disse com pesar.

Apesar do sofrimento pelo qual passou, o pai de Dudu garante que cumprirá a promessa feita a ele. "Para que o futuro das outras crianças do bairro seja melhor", espera.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions