A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

28/01/2009 17:34

Equipamento biométrico fica encalhado na Colônia Penal

Redação

Equipamento apresentado como parte da reestruturação da Colônia Penal Agrícola de Campo Grande, em julho do ano passado, o sistema de biometria (verificação de dados por digitais) nunca foi efetivamente usado.

Apesar de ampla divulgação das vantagens para controle de entrada e saídas do semi-aberto, agentes garantem que 6 meses depois da implantação, o recurso ainda não funciona porque provoca tumulto.

Na época da "inauguração" da tecnologia, foi informado pelo governo que o aparelho funcionava na portaria recém construída e integrado ao Sigo (Sistema Integrado de Gestão Operacional), o que permitiria controle rigoroso das movimentações dos internos na unidade, com data que chegou, em qual alojamento está, se tem vínculo empregatício, onde trabalha e qual horário deve retornar para a unidade.

"Além de armazenar as impressões digitais, possui um banco de dados com fotos e informações sobre a vida pregressa dos internos. Para ter acesso ao interior da unidade, todos deverão passar pela biometria, inclusive visitantes, advogados e servidores penitenciários. O sistema também conta com um detector de metal e câmeras instaladas em pontos estratégicos na recepção", divulgou a assessoria em julho.

O problema, segundo apurou o Campo Grande News, é a transmissão lenta de dados, que faz com que a leitura de uma digital de preso demore muito tempo. O sistema foi desenvolvido pela empresa Compnet, e nunca houve qualquer informação sobre defeitos.

Com a leitura biométrica, é confiável a informação sobre horário em que os presos deixam e chegam ao presídio, o que impediria fraudes nesse controle.

A desordem no funcionamento da unidade e o descontrole sobre a entrada e saída dos internos, foram diversas vezes alvos de criticas. Há nove meses, ex-diretores e presos viraram réus por participação em um esquema de facilitação de saídas para prática de crimes. Documentos eram falsificados sobre os horários dos presos.

Ainda hoje, é rotina a prisão de detentos do semi-aberto por prática de roubos, furtos e assassinatos.

De acordo com a assessoria de imprensa da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), o controle de entrada e saída dos internos da CPA é feito administrativamente, como antes.

Já o sistema adquirido para o registro informatizado passa por adequação e, por questão de segurança, não é revelado o que será feito no equipamento. Não existe prazo para início da utilização do sistema.

Monitoramento - Uma outra deficiência ainda não resolvida é quanto ao monitoramento dos presos quando devem estar trabalhando ou quando são liberados no final de semana para ficar com a família.

Anunciada como uma medida que poderia garantir monitoramento eficaz de presos dos regimes aberto e semi-aberto, a implantação do sistema de pulseiras e tornozeleiras foi "esquecida".

No mês de abril do ano passado, uma empresa veio a Mato Grosso do Sul para apresentar benefícios e custos do novo método e, desde então, houve pouco avanço.

O Estado tem 14 presídios abertos e semi-abertos, dos quais os detentos podem sair desde que tenham trabalho documentado. No entanto, não é possível saber se os presidiários estão realmente em empresas ou praticando crimes durante o tempo que passam fora.

Somente em Campo Grande, são cerca de 500 presos nesta situação, segundo revelou o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários, Fernando Anunciação.

Deficiente- De acordo com o sindicalista, não existe "controle" sobre detentos dos regimes semi-aberto e aberto. "A Agepen faz um monitoramento superficial", destaca.

Ele explica que, nos moldes atuais, não é possível saber se o presidiário está no trabalho ou não. "Muitos dizem que estão no serviço enquanto na verdade estão roubando", completa.

O diretor interino da Agepen, Luís Alberto Ojeda, garante que existe controle dos presos que entram e saem nos 14 presídios aberto e semi-aberto do Estado.

Segundo Ojeda, nas portarias das unidades é feita a conferência de entrada e saída. Entretanto, ele pondera que o uso de pulseiras e tornozeleiras promoveria o monitoramento total dos detentos. Ele explica que a proposta é discutida em âmbito nacional.

Na Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), a informação repassada é que o Estado analisa o valor a ser investido no projeto de tornozeleiras. Cada equipamento custa aproximadamente R$ 2.100,00, valor divulgado em São Paulo, onde também é feito o debate.

Carro roubado no RJ é recuperado em estrada rumo ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...
Recesso de fim de ano começa nesta semana no Judiciário e Legislativo
Na reta final de 2017, para alguns servidores a "folguinha" das festas começa mais cedo. Em orgãos Estaduais e Federais de Mato Grosso do Sul, tem re...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions