A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

15/06/2011 11:03

Fazenda de Bumlai motiva nova investigação do MPF contra o Incra

Marta Ferreira

A negociação de uma fazenda da família do pecuarista José Carlos Bumlai ao Incra voltou a motivar investigação do MPF (Ministério Público Federal). Agora, o órgão abriu inquérito para apurar em que circunstâncias o Incra produziu documentos para tentar reverter a decisão judicial que suspendeu os pagamentos dos títulos emitidos na compra da fazenda São Gabriel, em Corumbá.

A negociação da fazenda, de 4,6 mil hectares, foi feita em 2005.

Em setembro passado, a Justiça atendeu pedido do MPF e suspendeu o pagamento dos títulos da dívida agrária emitidos para aquisição da propriedade. A decisão foi após investigação apontar superfaturamento na transação entre o Incra e a família Bumlai. A fazenda foi adquirida por R$ 21 milhões mas, segundo o Ministério Público Federal, valia no máximo R$ 13 milhões, R$ 7,5 milhões a menos, conforme perícia apresentada pelo Ministério Público Federal.

De acordo com o MPF, o Incra apresentou registro fotográfico aéreo e terrestre da região da fazenda, para justificar pedido de inspeção judicial nos imóveis vizinhos à propriedade. O objetivo é provar que a fazenda valeria mesmo o valor negociado.

Não precisa - Ministério Público Federal impugnou o pedido do Incra, afirmando que não há qualquer elemento que “confira um mínimo de credibilidade à avaliação do Instituto. Para a Procuradoria, também não há explicação do Incra sobre porque existiram tantos 'equívocos', todos sempre em benefício dos ex-proprietários da fazenda.

O MPF cita ainda a “enorme surpresa com o aparato empregado pelo Instituto para tentar desacreditar o laudo pericial”. Conforme o MPF divulgou, foi usado um avião para fazer fotos, além de ter sido deslocada uma equipe para a região da fazenda, para fotos terrestres de áreas vizinhas à São Gabriel.

A Justiça ainda não se pronunciou a respeito.

Tratamento diferenciado -Na avaliação do MPF, ações recentes do MPF revelam que o Incra não demonstra o mesmo empenho para resolver questões relativas a assentamentos em Mato Grosso do Sul. Entre elas, é citada a denúncia de contaminação da água de mais de mil famílias em oito assentamentos em Corumbá por coliformes fecais. No próprio assentamento São Gabriel, a recuperação da rede de distribuição foi interrompida por falta de pagamento à empresa contratada, ainda conforme o MPF.

Irregularidades no fornecimento de materiais para construção de moradias e até mesmo a possível invasão irregular de área de assentamento por uma empresa mineradora também são investigadas pelo MPF.

O Incra alega falta de pessoal para realizar a fiscalização da execução dos contratos de obras e serviços nos assentamentos. O Instituto também alega que um decreto presidencial suspendeu a concessão de diárias e passagens para vistorias em campo, ainda conforme divulgação da assessoria de imprensa do MPF no Estado.

Para o Ministério Público, “parece que tal vedação se aplica apenas às ações para melhoria das condições dos assentamentos e correção de irregularidades existentes, mas não para a realização de atos destinados à defesa de aquisições de fazendas superfaturadas”.

Outro lado Bumlai, que é conhecido por ser amigo do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, concedeu entrevista ao Campo Grande News na época da suspensão dos pagamentos, dizendo que estranhou a decisão da Justiça suspendendo o pagamento pela fazenda.

A propriedade estava no nome de quatro filhos de Bumlai e, segundo ele, a negociação com o Incra levou 2 anos e foi sempre pública.

O empresário disse que houve várias oportunidades para contestação dos valores, sem que isso tenha sido feito. Sobre a perícia realizada a pedido do MPF, ele considera discutível, pois foi feita quase 5 anos após a concretização do negócio, já com a fazenda desfigurada em relação à época em que foi vendida.

Pecuarista de MS depõe por 3 horas e nega acusações em Campinas
O pecuarista e empresário sul-mato-grossense José Carlos Bumlai negou acusações de envolvimento num suposto esquema de fraudes em licitação, lavagem ...
Pecuarista de MS quer delação premiada, aponta investigação em Campinas
Empresário nega acusaçõesO caso Sanasa (Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A), que abalou a estrutura político administrativa da cida...
MP paulista já intimou pecuarista de MS e ex-diretor da Sanesul sobre fraudes em Campinas
O pecuarista José Carlos Bumlai, que possui empreendimentos em Mato Grosso do Sul, foi intimado pelo Ministério Público de São Paulo para falar sobre...
"Não vendi nenhuma fazenda superfaturada", afirma Bumlai
O empresário José Carlos Bumlai disse ter recebido com "estranheza" a decisão da Justiça que mandou suspender o pagamento pelo Incra (Instituto Nacio...


Se isso não for atraves de trafico de influencia.. Temos que mudar o sentido da palavra trafico de influencia....
 
Carlos Lima em 15/06/2011 12:42:11
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions