A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

12/10/2011 18:57

Fenaban e bancários marcam rodada de negociações para esta quinta-feira

Agência Brasil

A Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) rompeu o silêncio e convidou nesta quarta-feira o coordenador do Comando Nacional dos Bancários, Carlos Cordeiro, para uma reunião de negociação às 15 horas desta quinta-feira (hora de MS), para tentar acabar com a greve da categoria, iniciada em 27 de setembro e que mantém mais de 9 mil agências bancárias fechadas em todo o país.

A informação foi divulgada pela Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro) logo depois da manifestação da Fenaban.

Como afirma Carlos Cordeiro, que também preside a Contraf, “foi a força da greve que reabriu finalmente o diálogo e agora esperamos que os bancos venham para a mesa de negociações com uma proposta decente, que atenda às justas reivindicações da categoria”.

A greve, que já é a maior da categoria nos últimos 20 anos, foi deflagrada depois que as assembleias dos sindicatos rejeitaram a proposta de reajuste de 8% feita pela Fenaban, que significa apenas 0,56% de aumento real.

Os bancários reivindicam reajuste de 12,8% (aumento real de 5% mais a inflação do período), valorização do piso, maior participação nos lucros e resultados, mais contratações, extinção da rotatividade, fim das metas abusivas e combate ao assédio moral, entre outros pleitos.

"Os bancos brasileiros são os que mais lucram na América Latina, no entanto, pagam um piso salarial menor do que o recebido por argentinos e uruguaios, mas pagam bônus milionários para seus altos executivos, os maiores do continente", aponta Cordeiro.

Conforme pesquisa do Diesse (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) e da Contraf-CUT, o salário inicial pago pelos bancos brasileiros em agosto de 2010 era equivalente a US$ 735, mais baixo que o dos uruguaios (US$ 1.039) e quase a metade do valor recebido pelos argentinos (US$ 1.432).

"Um país onde os altos executivos dos bancos chegam a ganhar até 400 vezes mais que o piso salarial da categoria não pode ser chamado de justo", sustenta o dirigente sindical. "Além disso, os bancos utilizam a alta rotatividade do mercado de trabalho, muito maior que em outros países, para reduzir a massa salarial dos bancários”.

Greve dos bancários tem 100% de adesão na região de Dourados
A greve dos bancários se mantém com 100% de adesão desde quinta-feira na base de Dourados, de acordo com a assessoria de imprensa do movimento.A base...
Número de agências bancárias fechadas supera greve de 2010
No nono dia de greve dos bancários, o número de agências fechadas pelo país superou o pico da greve de 2010. Segundo balanço da Confederação Nacional...


os bancários querem ter duas férias ao ano, uma regulamentada por lei, outra pela greve!!!!!!!!!!!
 
Patricia Mendonça em 12/10/2011 11:36:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions