A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

25/03/2008 18:00

Há 5 meses foram descobertos planos de fuga do PCC em MS

Redação

O despacho do juiz Odilon de Oliveira que autoriza a transferência para o presídio federal de Campo Grande de dez presos que estavam em presídios estaduais da capital e de Dourados revela que desde outubro do ano passado já havia a suspeita de que os detentos estivessem organizando planos de fugas. Mas o pedido de transferência só foi oficializado em janeiro, dois meses depois, e autorização só veio agora, em março, ou seja, cinco meses depois das manifestação inicial do serviço de inteligência da Agepen (Agência de Administração do Sistema Penitenciário), que aponta, ainda a existência de risco de que os criminosos estivessem planejando rebeliões.

Os presos, apontados como integrantes da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), seriam os mesmos que ajudaram a chefiar, em 2006, os motins simultâneos que se transformaram na mais grave crise porque já passou o sistema carcerário estadual. Na época, presídios foram destruídos em Campo Grande, Dourados, Três Lagoas e Corumbá. Um detento foi morto na capital e teve a cabeça exibida como uma espécie de prêmio pelos colegas.

No despacho, apesar da demora, o juiz diz que as transferências, feitas durante o feriadão, deveriam ocorrer em regime de urgência, para a defesa da ordem pública.

A autorização do magistrado aconteceu mesmo com parecer contrário do MPF (Ministério Público Federal) à transferência. Para o MPF, o estado deveria ter solicitado vaga para os detentos em Catanduvas, no Paraná, onde há um presídio federal, e não no mesmo estado onde os criminosos já cumprem pena.

Na lista dos detentos, há homicidas, traficantes, assaltantes, todos apontados como de alto grau de periculosidade pelo magistrado. Um dos presos, Hwederson Petronilho Fortes, 42 anos, como lembra o juiz, chegou a ser transferido para uma cela da Polícia Fedederal em Campo Grande quando ocorreram as rebeliões de 2006, para tentar manter a ordem no sistem,a carcerário estadual.

A força do PCC nas cadeias do Estado impressionou os deputados da CPI que investiga o sistema carcerário no País. No dia, os deputados foram recebidos com uma faixa de

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions