ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SEXTA  27    CAMPO GRANDE 21º

Cidades

Infecção por micobactéria deverá ser notificada

Por Redação | 15/08/2008 12:35

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) tornou as infecções por micobactéria doenças de notificação compulsória, o que obriga os hospitais a informarem o surgimento de novos casos ao governo.

A Agência também criará uma força-tarefa que será enviada aos Estados para vistorias e fiscalizações, e os fabricantes dos produtos usados na esterilização de equipamentos terão de comprovar a eficácia no combate às micobactérias massiliense e abscessus, responsáveis pela maioria das infecções no país, para registrá-los e vendê-los no Brasil.

A agência pediu ainda um novo estudo para avaliar a eficácia de um dos saneantes mais usados nos hospitais, o glutaraldeído. Estudos feitos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e pelo laboratório Fleury apontaram que a micobactéria massiliense pode ter se tornado resistente a ele.

Epidemia - No dia 8 de agosto a Anvisa publicou um nota técnica na qual as infecções por micobactéria foram descritas como "emergência epidemiológica". As infecções, nas proporções  alcançadas no Brasil, não teriam registro aqui e nem outros países, e configurariam uma situação "nova" para profissionais de saúde em todo mundo.

Desde 2001, houve 2.025 casos em 14 Estados, a maioria após videolaparoscopias abdominais (72%), seguidas por cirurgias pélvicas, ortopédicas e plásticas. Em Mato Grosso do Sul ocorreram oito casos.

O ministro da Sáude, José Gomes Temporão, negou que haja uma epidemia no país e minimizou a situação classificando as infecções por micobactéria no país como "casos isolados, que ocorreram em determinados estados e hospitais, possivelmente por não atenderem com rigor às exigências da legislação, e que estão sendo analisados".

Nos siga no Google Notícias