A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

05/02/2014 16:57

Instituto prevê aumento no número de casos de câncer da mama em MS

Luciana Brazil e Mariana Lopes

O último senso estatístico sobre câncer de mama, a doença que mais mata mulheres no mundo, aponta que em 2011 a doença fez 145 vítimas em Mato Grosso do Sul. O Inca (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva) estima que em 2014 mais de 750 novos casos deste tumor serão registrados no Estado.

Segundo dados do Instituto, em Campo Grande serão 370 mulheres a mais com a doença neste ano. Para o Brasil, na previsão do Inca, 57 mil novos casos serão notificados em 2014. Ao todo, 13.225 mulheres morreram com câncer de mama no País em 2011.

Com números tão altos, o diagnóstico precoce pode fazer a diferença entre vida e morte. A mamografia é indicada para detectar a doença. Mesmo que o nódulo ainda não esteja palpável, o exame consegue diagnosticá-lo.

Segundo o médico mastologista João Bosco de Barros Wanderley, a partir dos 40 anos, a mulher entra no período de maior incidência da doença e, por precaução, deve fazer a mamografia anualmente.

A periodicidade do exame deve ser contínua até o fim da vida da mulher, conforme explana o mastologista. “Há casos de pacientes que diagnosticam o tumor após os 70 anos, por exemplo”, pontua o médico.

A gerente do programa Saúde da Mulher, da Secretaria de Saúde de Mato Grosso do Sul, Hilda Guimarães, explica que entre o Inca e o Ministério da Saúde existem divergências quanto às recomendações sobre a idade para se realizar o primeiro exame de mamografia.

Conforme ela, o Inca recomenda que apenas as mulheres acima dos 50 anos façam a mamografia. Já para Ministério da Saúde a orientação é que todas as mulheres com idade acima dos 40 anos façam o exame.

Ambos os órgãos recomendam que mulheres abaixo dos 50 anos façam o teste caso seja detectado algum nódulo no exame clínico. Mulheres com menos de 40 anos devem realizar o exame, segundo o Inca, caso haja histórico da doença na família ou a paciente tenha tido tumores em outras regiões.

“Depois da menopausa aumenta o risco para câncer de mama”, afirma o mastologista João Bosco.

Outros exames – Embora a mamografia seja o melhor método para detectar o câncer de mama, ainda há outros exames que podem apontar um diagnóstico, como o ultrassom e a ressonância magnética. Contudo, estes métodos devem ser complementares, e a mamografia não deve ser dispensada, de acordo com a opinião do mastologista João Bosco.

No caso do ultrassom, o médico ressalta que é adequado apenas a pacientes mais jovens, com idade inferior a 40 anos, as quais têm as mamas mais densas e permite avaliação adequada.

Outra forma de detectar nódulos precocemente é sempre fazer o autoexame da mama, no qual a própria mulher apalpa os seios. O exame deve ser realizado após o fim de cada ciclo menstrual, independente da idade.

Prevenção – Segundo o médico João Bosco, a melhor maneira para se evitar o câncer de mama, assim como qualquer outro tipo de doença, é a pessoa adotar medidas de ordem geral, como a prática de exercícios físicos e manter uma dieta saudável.

O consumo de medicamentos hormonais pode desencadear o câncer, por isso, na avaliação do médico, é preciso tomar cuidado com este tipo de receitas, assim como os conservantes de agrotóxico, que também são prejudiciais.

 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions