ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEXTA  21    CAMPO GRANDE 30º

Interior

Chuva ajuda, nível do rio Paraná volta ao normal e revive produção de cidade

Renata Volpe Haddad | 06/03/2016 09:15
Nível do rio Paraná atinge 96% devido as chuvas constantes em Aparecida do Taboado. (Foto: Divulgação)
Nível do rio Paraná atinge 96% devido as chuvas constantes em Aparecida do Taboado. (Foto: Divulgação)

A seca no rio Paraná em 2015 considerada a pior da história, já não é mais problema para Aparecida do Taboado - cidade distante 481 km de Campo Grande. O nível do rio chegou aos 96%, graças as chuvas que atingem o município desde julho do ano passado.

De acordo com o professor doutor titular em Irrigação e Drenagem da Unesp (Universidade Estadual Paulista), Fernando Tangerino, não era possível especificar quanto tempo demoraria para o nível do rio Paraná voltar ao normal. "Porém, em decorrência das chuvas que atingem a região Noroeste do rio desde o segundo semestre do ano passado, foi possível que o nível voltasse a sua normalidade em curto período", explica.

De 1967 até 2015, a média histórica de chuvas em toda a região era de 1.244 milímetros. Em 2015, choveu 1.464 milímetros, sendo 18% a mais do que o esperado.

Para o professor, no início do ano passado, as chuvas foram abaixo do histórico. "Situação que começou a mudar em julho, onde tivemos chuvas 44% acima do esperado; agosto foi 79% a mais; setembro foi 40% acima do esperado; outubro choveu 5% a menos", afirma.

Em novembro, as chuvas atingiram 165% a mais do que esperado que era de 149 milímetros, sendo que choveu 395 milímetros. "Isso contribuiu para recompor o estoque de água, principalmente em janeiro deste ano, que choveu 20% a mais do que o previsto", avalia.

O monitoramento do nível do rio também é feito pela PMA (Polícia Militar Ambiental) e de acordo com o sargento WillianBaraguini, o nível está em quase 100%. "Inclusive o rio está mais cheio do que estávamos acostumados a ver, antes da seca atingir o município", alega.

Conforme o sargento, na próxima semana, as usinas devem abrir as comportas. "O rio já está quase no limite máximo e o volume de água vai aumentar quando abrirem as comportas, mas não há risco de inundação, pois quando o nível do rio trabalha com margem de segurança, o controle é feito de maneira mecânica", informa.

Em janeiro de 2015, este era o cenário da ponte sobre o rio Paraná. (Foto: Alcides Neto/ Arquivo)
Em janeiro de 2015, este era o cenário da ponte sobre o rio Paraná. (Foto: Alcides Neto/ Arquivo)

O secretário de Turismo e Meio Ambiente de Aparecida do Taboado, Jary Augusto Silva, conta que o rio encheu de uma forma que ninguém esperava. "Segundo estudos feitos e as pessoas que trabalham com psicultura na região, o rio voltaria ao normal depois de cinco anos. O rio encher tão rápido assim nos surpreendeu, porque a situação era caótica", alega.

Dos empresários que dependiam do turismo e que tinham balneários e restaurantes, apenas dois continuaram durante a seca e o restante fechou as portas e demitiu funcionários. "Nossos turistas são de cidades vizinhas paulistas que começam a retornar agora. Acredito que muitos empresários vendo a situação favorável novamente, voltarão as suas atividades", afirma.

Cenário atual é de cheia no rio Paraná. (Foto: Divulgação)
Cenário atual é de cheia no rio Paraná. (Foto: Divulgação)

Outro problema destacado pelo secretário durante a seca, foi o pagamento dos Royalties repassado ao município. "O pagamento dos Royalties é feito pelas usinas hidrelétricas pelo uso da água do rio para geração de energia. Como o rio Paraná estava seco, mal a usina conseguia gerar energia, caindo o valor repassado e tendo queda na economia da cidade. Mas essa situação começa a ser modificada agora", explica.

Psicultura – Um dos maiores criadores de Tilápia do país está em Aparecida do Taboado. O engenheiro agrônomo e piscicultor Dartagnan Ramos Queiroz, proprietário da Aguarauga, precisou demitir quatro dos 22 funcionários que tinha, devido a seca e pensou em desistir da região.

Há mais de um ano, donos de balneários viam os turistas se afastarem devido a seca. (Foto: Alcides Neto/ Arquivo)
Há mais de um ano, donos de balneários viam os turistas se afastarem devido a seca. (Foto: Alcides Neto/ Arquivo)

"A situação começa a melhorar agora e antes de contratar mais funcionários, preciso saber como o mercado de alimentos vai ficar durante o ano, já que houve diminuição no consumo da carne de peixe", comenta.

Frigorífico – As obras do frigorífico de peixes que estava sendo construído no município havia parado devido a redução da produção de pescado. Conforme o secretário de turismo, com a obra já finalizada, o frigorífico que teve investimento de R$ 18 milhões está em fase de contratação de funcionários.

"Acredito que em abril o frigorífico comece a funcionar e são mais de 400 empregos. Agora, tudo que estava parado volta a funcionar e o município que tem o 4º maior polo industrial do Estado não vai parar", afirma.

Por um ano, seca fechou balneários e prejudicou a psicultura no município. (Foto: Alcides Neto/ Arquivo)
Por um ano, seca fechou balneários e prejudicou a psicultura no município. (Foto: Alcides Neto/ Arquivo)
Com a cheia no rio, empresários se animam e voltam a trabalhar com o turismo. (Foto: Divulgação)
Com a cheia no rio, empresários se animam e voltam a trabalhar com o turismo. (Foto: Divulgação)
Nos siga no Google Notícias