ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  16    CAMPO GRANDE 23º

Interior

Condenado por gravar vídeo com arma, prefeito entra com outro recurso no STF

Na 1ª tentativa, ministro considerou recurso prejudicado; defesa de Juliano Ferro diz que Supremo errou

Por Helio de Freitas, de Dourados | 28/05/2024 11:11
O prefeito Juliano Ferro, que tenta anular no STF condenação por vídeo com pistola (Foto: Reprodução)
O prefeito Juliano Ferro, que tenta anular no STF condenação por vídeo com pistola (Foto: Reprodução)

O prefeito de Ivinhema Juliano Barros Donato (PSDB), o Juliano Ferro, entrou com outro recurso no STF (Supremo Tribunal Federal) para tentar anular a condenação de três anos e seis meses de prisão por vídeo publicado em redes sociais em que aparece manuseando uma pistola.

Na época, Juliano Ferro ainda exercia mandato de vereador e aparecia nas imagens abrindo garrafa de cerveja com tiro de pistola. Ele é pré-candidato à reeleição nas eleições deste ano.

No dia 18 de abril, por unanimidade, ministros do STJ (Superior Tribunal de Justiça) rejeitaram o recurso que pedia a suspensão da pena até o julgamento do habeas corpus no STF (Supremo Tribunal Federal) ou assinatura de acordo de “não persecução penal”.

A defesa recorreu então ao STF, mas no dia 22 deste mês, o presidente da Corte Suprema, ministro Luis Roberto Barroso, julgou o recurso “prejudicado”. Agora, a defesa entrou com “embargos de declaração”, para que o STF analise o recurso extraordinário pedindo a extinção da pena.

Ao Campo Grande News, o advogado Carlos Alberto de Jesus Marques disse que o STF rejeitou o recurso por entender que o STJ já havia acolhido o argumento da defesa, o que não aconteceu. “Foi um erro do Supremo”.

Carlos Marques explica que Juliano Ferro foi condenado por gravar e postar vídeo em que abria garrafa com tiro de pistola. Após a sentença do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, a defesa recorreu ao STJ com dois pedidos – nulidade da sentença por ter contrariado parecer do Ministério Público (que foi favorável à prescrição da pena) e direito ao acordo de “não persecução penal”. Entretanto, ambos os recursos foram rejeitados.

“Levamos então o recurso ao Supremo. Quando chegou lá, a análise inicial entendeu que o recurso teria perdido objeto porque o STJ já teria reformado o acórdão a nosso favor, o que não é verdade, pois o STJ rejeitou nossos pedidos. Por isso, entramos com embargos de declaração contra a decisão do presidente [Barroso] para que o recurso seja recebido”, informou Carlos Marques.

Se os embargos de declaração forem aceitos, o STF irá analisar o recurso extraordinário da defesa e decidir sobre a nulidade da pena ou se o prefeito tem direito ao acordo de “não persecução penal”. Segundo o advogado, a decisão se o novo recurso será ou não aceito deve ser rápida. Já a análise dos pedidos pode levar mais tempo, de quatro a cinco meses.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias