ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 29º

Interior

Em parto por telefone, bombeira salva bebê com cordão enrolado no pescoço

Neném nasceu no carro de carona, a caminho do hospital

Tainá Jara | 29/10/2020 15:21
Soldada Carolinne orientou por telefone o parto de Cristina que deu à luz a bebê Lidiane. (Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)
Soldada Carolinne orientou por telefone o parto de Cristina que deu à luz a bebê Lidiane. (Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

Fisicamente pronta para nascer, mas ainda com enxoval incompleto, Lidiane veio ao mundo já enfrentando sufoco. A mãe, grávida de 38 anos semanas, acabou dando à luz dentro do carro, no final da manhã desta quarta-feira, na fronteira entre Ponta Porã e Pedro Juan Caballero.

O parto foi feito a caminho do hospital e poderia ter sido malsucedido, já que a bebê nasceu com o cordão umbilical enrolado no pescoço. Mas, uma ligação de mais de uma hora com a soldada do Corpo de Bombeiros Carolinne Camargo da Silva acabou mantendo mãe e filho a salvos.

Era por volta de 10h30, quando a soldado atendeu a ligação desesperada de Cláudia Rocha Jara, 30 anos. A tia do neném já estava com a mãe, Cristina Cardoso, de 30 anos, em trabalho de parto no banco traseiro do carro. A cabeça do bebê já estava para fora do ventre, mas a carona estava no meio do caminho, ainda longe do hospital e onde a viatura do Corpo de Bombeiros não chegaria a tempo.

“Eu e meu esposo levamos ela e percebemos que não daria tempo de chegar no hospital. Logicamente entramos em pânico. A bombeira disse que ia ajudar por telefone a continuar o parto dentro do carro. O cordão estava enrolado e ela me orientou como ir fazendo para desenrolar. Ela (a criança) estava ficando roxa”, relembra a tia da criança que ligou para os bombeiros.

Os momentos também foram de tensão para a soldada Carolinne, que atuava como operadora de comunicação no 193. Ela lembra que a ligação chegou a cair minutos depois do bebê ter saído do ventre da mãe e a tia relatar  que ele estava com o cordão umbilical enrolado no pescoço. Foi dada as orientações para socorrer a criança, mas mesmo livre do perigo ela ainda apresentava dificuldade para respeitar.

“Tentei retornar a ligação pelo telefone fixo do quartel. Não consegui e ela não atendeu. Então, decidi ligar do meu telefone particular. Adicionei o contato dela e retornei a chamada”, relatou.

Quando conseguiu retornar o contato, o bebê chorava muito pouco e a família ainda estava preocupada em relação a sua respiração. “Vai sempre estimulando ela a ficar acordada. Ficar desperta e para que ela apresente sinais vitais”, orientou a bombeira enquanto a família seguia para o hospital.

Ao chegar no Hospital Regional de Ponta Porã, mãe e filha foram prontamente atendidas pela equipe médica. Lidiane nasceu com 2,8 quilos. As duas passam bem e receberam alta na tarde desta quinta-feira.

A tia da criança lembra que a família é muito humilde e, embora mãe e filha estejam bem de saúde, precisam de doações para receber a recém-nascida, como fraldas e roupas. Quem se interessar em ajudar pode entrar em contato pelo número (67) 9945-0053 (Falar com Cláudia).

Nos siga no Google Notícias