ACOMPANHE-NOS    
MARÇO, QUINTA  04    CAMPO GRANDE 24º

Interior

Famosa nas redes sociais, Eliane viveu 12 anos com assassino

Fama não tem ligação com crime, diz delegada.

Por Mirian Machado | 27/01/2021 16:17
Eliane fazia sucesso com dublagens e danças em aplicativo de vídeos (Reprodução)
Eliane fazia sucesso com dublagens e danças em aplicativo de vídeos (Reprodução)

Eliane Ferreira Siolim de 34 anos vivia há 12 anos com o marido, o paraguaio Alejandro Antônio Aguilera, que a matou no último domingo após discussão e em seguida cometeu suicídio. Conforme a Polícia Civil, apesar de não existir nenhuma ocorrência de violência doméstica contra o suspeito, as brigas entre o casal eram frequentes.

A vítima era famosa nas redes sociais com mais de 60 mil seguidores no TikTok, onde fazia dublagens e também aparecia dançando, porém de acordo com a delegada da DAM (Delegacia de Atendimento à Mulher) em Ponta Porã, cidade há 323 km de Campo Grande, Marianne Cristine de Souza, o fato a vítima ser famosa não tem ligação alguma. “Estão tentando atribuir/criminalizar o comportamento dela”, disse sobre o fato de ligar a fama da vítima ao crime.

Conforme a delegada, a chácara onde ocorreu o crime foi alugada por 30 dias pelo casal. A filha de ambos de 6 anos chegou a presenciar a cena do pai atirando na mãe e logo após a chegada da polícia foi deixada com familiares.

Algumas pessoas ainda estão sendo ouvidas. O caso ainda segue em investigação para desvendar o que teria motivado o crime. Segundo explicou a delegada, quando o autor morre é extinto a punibilidade. “Não tem quem punir, mas queremos esclarecer como e o que teria motivado o feminicidio”, disse.

Casal estava junto há 12 anos e brigas eram frequentes (Reprodução/Facebook)
Casal estava junto há 12 anos e brigas eram frequentes (Reprodução/Facebook)

Caso- A polícia foi acionada pelo caseiro do sitio, no distrito de Nova Itamarati, após ouvir os disparos, por volta das 20h30 de domingo (24). Os corpos foram cobertos pelo caseiro com um cobertor azul até a chegada da polícia e perícia.

Além dos disparos, o braço direito de Eliane estava aparentemente quebrado, segundo consta no boletim de ocorrência. Alejandro foi encontrado com um disparo de arma de fogo na cabeça.

A polícia localizou uma arma de fogo de calibre 9 milímetros com uma munição e um carregador sobressalente municiado.

O caso foi atendido pela 1ª Delegacia de Polícia Civil de Ponta Porã, mas agora as investigações seguem pela DAM.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário