ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 26º

Interior

Justiça absolve advogado preso em 2023 acusado de obstruir investigação

Juiz decidiu que não existem elementos probatórios suficientes a caracterizar obstrução de investigação

Por Helio de Freitas, de Dourados | 21/06/2024 16:32
O advogado Rubens Saldivar, absolvido pela Justiça nesta sexta-feira (Foto: Divulgação)
O advogado Rubens Saldivar, absolvido pela Justiça nesta sexta-feira (Foto: Divulgação)

O juiz Marcelo da Silva Cassavara, da 1ª Vara Criminal de Dourados, absolveu nesta sexta-feira (21) o advogado Rubens Dariu Saldivar Cabral, preso em dezembro do ano passado na segunda fase da Operação Akã.

Indiciado pela Polícia Federal e denunciado pelo Ministério Público acusado de tentar obstruir as investigações, o advogado chegou a ficar dez dias recolhido no ano passado, depois ficou em prisão domiciliar e em janeiro deste ano recuperou a liberdade plena.

“Não existem elementos probatórios suficientes a caracterizar conduta de obstrução da investigação de organização criminosa”, afirmou na sentença o juiz Marcelo Cassavara. Ao Campo Grande News, Rubens Saldivar afirmou que a decisão da Justiça reconhece sua inocência e que sua atuação foi estritamente dentro do exercício legal da advocacia.

A história – Atuando na defesa de presos na primeira fase da Operação Akã, o advogado Rubens Saldivar havia sido abordado pela Polícia Federal no dia 29 de novembro do ano passado. Na caminhonete conduzida por ele, os policiais encontram R$ 100 mil em espécie.

Ele informou aos policiais que o dinheiro era pagamento por seus honorários e de outros advogados de seu escritório que trabalham no mesmo caso, mas se negou a fornecer a identidade de quem havia repassado o dinheiro.

Os pacotes de notas foram apreendidos e no mesmo dia a PF instaurou inquérito para investigar suposta ligação do advogado com lavagem de dinheiro.

No dia 8 de dezembro, horas antes da prisão, o advogado havia conversado com o Campo Grande News. “Os valores tratam exclusivamente de honorários. Já foi comprovado através de contrato e nota fiscal, já foi feita a juntada no processo, estamos pedindo trancamento da ação penal”, disse ele.

Após a apreensão do dinheiro, com base em depoimento de um dos presos na primeira fase da operação, a PF também o indiciou por suposta tentativa de obstruir as investigações, uma vez que estaria visitando os investigados, mesmo sem ter sido formalmente contratado para atuar na defesa, e supostamente oferecendo troca dos celulares de dois dos investigados por aparelhos novos, sem custo.

Segundo a denúncia, o objetivo seria atrapalhar as investigações para impedir que a polícia chegasse aos líderes da organização. Entretanto, em depoimento na Justiça, um dos delegados do caso admitiu a PF não pediu a apreensão dos celulares dos dois citados, pois não havia interesse naquele momento nos dados dos aparelhos.

“Ora, se a própria Autoridade Policial não tinha interesse nos celulares dos investigados, o fato do agente fornecer serviço de advocacia, com honorários pagos por terceiro não identificado, em troca do fornecimento dos celulares, não é elemento apto a configurar materialidade do crime de obstrução da investigação, quando os investigados já haviam sido indiciados anteriormente”, citou o magistrado.

O juiz continua: “não se pode perder de vista que, sob a ótica constitucional-penal, é inadmissível uma condenação fulcrada em conjecturas ou ilações que podem ter acontecido, mas que não existe certeza. Dito de outra forma, no direito penal constitucional brasileiro vige o princípio ‘in dubio pro reo’, o que significa dizer que na dúvida deve o magistrado decidir em favor do acusado”.

Na época da prisão, Rubens Dariu Saldivar Cabral estava com seu registro na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) suspenso temporariamente, mas informou que o documento já está ativo e ele atuando normalmente na advocacia.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias