ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 16º

Interior

Líder indígena de MS, Catarina Guató tem casa incendiada em Corumbá

Antes do incêndio, ocorrido na sexta-feira, a casa da artesã já havia sido alvo de furtos

Por Mylena Fraiha | 29/02/2024 17:42
Além de artesã, Catarina Guató é reconhecida como mulher canoeira do Pantanal (Foto: Arquivo/Augusto Dauster)
Além de artesã, Catarina Guató é reconhecida como mulher canoeira do Pantanal (Foto: Arquivo/Augusto Dauster)

Na última sexta-feira (23), a líder indígena Catarina Guató, reconhecida por seu trabalho no artesanato e na preservação da cultura do povo Guató, teve sua residência invadida e incendiada na cidade de Corumbá, situada a 425 km de Campo Grande.

Ao Campo Grande News, Catarina explica que uma semana antes do incêndio, sua casa foi invadida e diversos objetos foram furtados. Na ocasião, ela estava em tratamento médico em Campo Grande e não presenciou o ocorrido.

Catarina explicou que, dias depois, criminosos retornaram à sua residência e atearam fogo em uma parte da casa. "Arrombaram a porta dos fundos e botaram fogo. Eu não estava lá, mas perdi todas as minhas coisas", lamentou a líder indígena.

Ela explica que vizinhos rapidamente acionaram o Corpo de Bombeiros, que conseguiu controlar as chamas. Entretanto, a casa ficou completamente destruída. Catarina afirmou que um boletim de ocorrência será registrado para investigar o incidente.

Para auxiliar a líder indígena, familiares e amigos organizaram uma campanha de Pix Solidário. Interessados em doar qualquer valor podem enviar para a chave 67 9698-6764.

Anúncio do Pix Solidário divulgado nas redes sociais (Foto: Redes sociais)
Anúncio do Pix Solidário divulgado nas redes sociais (Foto: Redes sociais)

Reconhecimento - Mulher canoeira e artesã, Catarina é um símbolo de força, resistência e luta. Ela é uma das poucas mulheres difusoras do artesanato com o aguapé, uma planta aquática da região, uma prática que é uma tradição dos indígenas da etnia Guató.

Em novembro do ano passado, Catarina Guató recebeu o título de Doutora Honoris Causa pela UFMS (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul), durante uma cerimônia no Teatro Glauce Rocha.

A premiação reconheceu sua notável contribuição em direitos humanos, no fortalecimento da identidade sul-mato-grossense e no desenvolvimento do setor industrial de Mato Grosso do Sul.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias